SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.24 número2COR DE JAMBO E OUTROS MATIZES AMAZÔNICOS: SOBRE A ABOLIÇÃO DA MULATA E O ADVENTO DA MORENA CHEIROSA NAS FESTAS JUNINAS DE BELÉMAMOR REBELDE: HISTÓRIA, CASAMENTO E POLÍTICA NO ALTO JURUÁ índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Mana

versão impressa ISSN 0104-9313versão On-line ISSN 1678-4944

Resumo

PENONI, Isabel. FILMES FEITOS PARA “GUARDAR” OU OS DOIS “CAMINHOS” DO CINEMA KUIKURO. Mana [online]. 2018, vol.24, n.2, pp.174-198. ISSN 0104-9313.  https://doi.org/10.1590/1678-49442018v24n2p174.

Mobilizados pelo risco da “perda cultural” diante da crescente influência não indígena em suas aldeias, os índios Kuikuro do Alto Xingu se envolveram em um amplo Projeto de Documentação de seu complexo ritual, cuja face mais conhecida é o cinema produzido por ou em parceria com os chamados “realizadores indígenas”. Neste artigo, analiso a especificidade dessa produção fílmica, realizada com o objetivo principal de “guardar a cultura” para que ela não desapareça. Veremos como essa ideia central atravessa os dois “caminhos” tomados pelos realizadores kuikuro e seus parceiros, a saber: os chamados “filmes de rituais” e os filmes voltados para a audiência não indígena. Em ambos os casos destaca-se uma abordagem original do ritual, seja ela orientada pela ideia de reter a totalidade desse conhecimento específico, seja pelo esforço em performar para os espectadores de fora das aldeias as complexas relações que estão em jogo nos rituais kuikuro.

Palavras-chave : “Cultura”; Novos modos de memória; Cinema indígena; Kuikuro.

        · resumo em Inglês | Espanhol     · texto em Português     · Português ( pdf )