SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.86 issue6Impact on the quality of life of dermatological patients in southern BrazilIntense pulsed light in photoaging: a clinical, histopathological and immunohistochemical evaluation author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Anais Brasileiros de Dermatologia

Print version ISSN 0365-0596

Abstract

THOMAS-GAVELAN, Elizabeth et al. Exposição solar e conhecimento, atitudes e práticas de fotoproteção em pacientes de unidades ambulatoriais de dermatologia em quatro hospitais de Lima, Peru. An. Bras. Dermatol. [online]. 2011, vol.86, n.6, pp. 1122-1128. ISSN 0365-0596.  http://dx.doi.org/10.1590/S0365-05962011000600009.

FUNDAMENTOS: O objetivo deste estudo foi determinar o conhecimento, sobre a exposição solar e fotoproteção em pacientes ambulatoriais tratados nas unidades de dermatologia de quatro hospitais em Lima, Peru. MATERIAIS E MÉTODOS: Estudo de corte transversal. A amostra foi formada por 364 pacientes originários dos quatro hospitais participantes. Os pacientes foram selecionados através de um processo de amostragem aleatória sistemática. Uma vez selecionados, os pacientes foram entrevistados para determinação do conhecimento, atitudes e práticas em relação à exposição ao sol e à fotoproteção. O teste do qui-quadrado foi usado para determinar diferenças significativas entre conhecimento e práticas. RESULTADOS: Os pacientes tinham em média 45,1±21,4 anos de idade, 55,9% eram mulheres e 54,8% tinham pele fototipo IV. Os principais riscos relacionados à exposição solar foram câncer de pele (80,5%) e queimaduras solares (77,8%). Participantes com nível universitário apresentaram maior conhecimento sobre proteção solar (p <0,001). O conhecimento de fotoprotetores foi relatado por 78,9% dos participantes enquanto o uso periódico dos fotoprotetores foi relatado por 52,3%. As mulheres tinham conhecimento amplamente maior sobre proteção solar (p = 0,001). Do total de usuários de fotoprotetores, 38,4% usavam o produto diariamente e 61,6% usavam somente ocasionalmente. O uso de fotoprotetores variou significantemente com o nível de escolaridade (p <0,001). Na maioria dos casos se encontrou diferença estatisticamente significante entre o conhecimento sobre fotoproteção e práticas de fotoproteção. CONCLUSÕES: Os pacientes ambulatoriais tratados nas unidades de dermatologia desses quatro hospitais em Lima têm um nível aceitável de conhecimento mas um grande número deles não haviam incorporado práticas de fotoproteção nas rotinas pessoais.

Keywords : Conhecimentos, atitudes e práticas em saúde; Protetores solares; Neoplasias cutâneas; Raios ultravioletas.

        · abstract in English     · text in English     · pdf in English