SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.87 issue1Topical estradiol does not interfere with the expression of the metalloproteinase-1 enzyme in photo exposed skin cellsPapillary atrophy of the tongue and nutritional status of hospitalized alcoholics author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Anais Brasileiros de Dermatologia

Print version ISSN 0365-0596

Abstract

MIRANDA, Angélica Espinosa et al. Fatores de risco para sífilis, em mulheres jovens, atendidas pelo programa de saúde da família em Vitória (ES), Brasil. An. Bras. Dermatol. [online]. 2012, vol.87, n.1, pp. 76-83. ISSN 0365-0596.  http://dx.doi.org/10.1590/S0365-05962012000100009.

FUNDAMENTOS: A prevalência elevada de DST entre as mulheres indica a necessidade de implementação de abordagem, de detecção de casos e de prevenção de novos agravos. OBJETIVO: descrever a frequência dos fatores de risco para sífilis e as percepções de risco sexual, em mulheres jovens, na cidade de Vitória, ES. MÉTODOS: Estudo populacional, em corte-transversal, por amostragem, realizado em Vitória. Foram realizadas entrevista e pesquisa de VDRL e MHA-TP em amostra de sangue. RESULTADOS: Entre as 904 mulheres elegíveis (18-29 anos) selecionadas pelo Programa de Saúde da Família (PSF), 11 foram diagnosticadas com sífilis sendo a prevalência de 1,2% (IC95% 0,5-1,9). A mediana de idade foi de 23 anos (distância interquartil de 20-26 anos); 65,7% das participantes alcançavam o ensino médio ou superior e 85,4% moravam com a família ou com o parceiro sexual. Fatores associados com a sífilis: menor nível educacional (<=oito anos de estudo) [Odds ratio ajustado (Ora) =4,3 (IC95% 1,01-17,99)]; ter tido mais de um parceiro na vida [ORa=6,50 (IC95% 1,37-30,82)] e história prévia de DST [ORa=10,3 (IC95% 2,37-44,33)]. Dois terços (67,7%) das mulheres entrevistadas relataram não achar fácil dizer ao parceiro que não fará sexo sem preservativo, 52,3% consideram difícil usar preservativo em todos os intercursos sexuais e 36,2% acham que não há o que fazer, se o parceiro recusar usar preservativo. CONCLUSÕES: A utilização do PSF como porta de entrada para a realização do VDRL, na rotina de atendimento, pode contribuir para diminuir a vulnerabilidade destas mulheres e ajudar no controle da sífilis congênita.

Keywords : Doenças sexualmente transmissíveis; Fatores de risco; Infecções por treponema; Programa saúde da família; Saúde da mulher; Sífilis.

        · abstract in English     · text in English     · pdf in English