SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.88 número6Atualização terapêutica das micoses superficiais: artigo de revisão parte IIMicose fungoide hipocromiante: uma revisão de seus aspectos clínicos e fisiopatológicos índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Anais Brasileiros de Dermatologia

versão impressa ISSN 0365-0596

Resumo

MESQUITA, Kleyton de Carvalho; IGREJA, Ana Carolina de Souza Machado  e  COSTA, Izelda Maria Carvalho. Dermatite atópica e vitamina D: fatos e controvérsias. An. Bras. Dermatol. [online]. 2013, vol.88, n.6, pp.945-953. ISSN 0365-0596.  https://doi.org/10.1590/abd1806-4841.20132660.

Pacientes com dermatite atópica têm fatores de risco geneticamente determinados que afetam a função de barreira da pele e as respostas imunes, as quais interagem com fatores ambientais. Clinicamente, isso resulta em uma pele intensamente pruriginosa, inflamada, que permite a penetração de irritantes e alérgenos e predispõe os pacientes à colonização e à infecção por micro-organismos. Dentre os diversos fatores etiológicos responsáveis pelo aumento da prevalência de doenças atópicas nas últimas décadas, o papel da vitamina D tem ganhado destaque. Uma vez que a patogênese da dermatite envolve uma interação complexa da disfunção da barreira epidérmica e desregulação da resposta imune - e a vitamina D está envolvida em ambos os processos-, é razoável esperar que a vitamina D esteja associada ao risco ou à gravidade da dermatite atópica. Tal associação é sugerida por dados epidemiológicos e experimentais. Nessa revisão, serão abordadas as evidências favoráveis e contrárias a essa polêmica relação, enfatizando os possíveis mecanismos etiopatogênicos envolvidos.

Palavras-chave : Defensinas; Deficiência de vitamina D; Dermatite atópica; Vitamina D.

        · resumo em Inglês     · texto em Inglês     · Inglês ( pdf )