SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.65 issue1Synthesis about ophiolites: evolution of conceptsModeling of self-reducing agglomerates charging in the mini blast furnace with top gas recycling author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Rem: Revista Escola de Minas

Print version ISSN 0370-4467

Abstract

MEIRELLES, Anna Cristina Resque  and  COSTA, Marcondes Lima da. Mineralogia e química de artefatos de pedra verde (muiraquitãs) dos Museus do Estado do Pará. Rem: Rev. Esc. Minas [online]. 2012, vol.65, n.1, pp. 59-64. ISSN 0370-4467.  http://dx.doi.org/10.1590/S0370-44672012000100008.

Os muiraquitãs foram considerados de proveniência asiática ou, também, como peças esculpidas pelas lendárias mulheres guerreiras, as Amazonas. São peças, hoje, muito raras, encontradas em alguns acervos de Museus. Estudos mineralógicos e químicos de 23 peças do acervo dos Museus de Gemas e do Encontro em Belém, Brasil, mostraram que os muiraquitãs podem ser constituídos, tanto de quartzo, como de albita, ou microclínio, pirofilita, variscita, anortita e tremolita (equivalente ao jade nefrítico), minerais frequentes em formações geológicas do Brasil. No entanto quatro peças são constituídas de jadeíta, ou seja, em jade jadeítico, raro e desconhecido na Amazônia e Brasil. A constatação da presença desse mineral reacende a discussão em torno da origem mineralógica dos muiraquitãs encontrados na Amazônia. Essa origem, antes da atual descoberta, era defendida como amazônica, devido à ausência de jade jadeítico nas peças pesquisadas e pelo fato de jadeíta não ter sido encontrada no Brasil, mas na América Central e na Ásia.

Keywords : Muiraquitã; jade; jadeíta; Amazônia; tremolita; actinolita.

        · abstract in English     · text in English     · pdf in English