SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.49 issue2The Euler-Poincaré characteristic applied to identify low bone density from vertebral tomographic imagesDietary calcium: strategies to optimize intake author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Revista Brasileira de Reumatologia

Print version ISSN 0482-5004

Abstract

GLEZER, Andrea; PARAIBA, Diane Belchior  and  CARVALHO, Jozélio Freire de. O papel da prolactina no lúpus eritematoso sistêmico: onde estamos. Rev. Bras. Reumatol. [online]. 2009, vol.49, n.2, pp. 153-157. ISSN 0482-5004.  http://dx.doi.org/10.1590/S0482-50042009000200007.

A prolactina (PRL) é um hormônio fundamental para a galactopoiese, porém, desempenha também outras diversas funções no papel de citocina, como a imunomodulação. A PRL é secretada pela maioria das células do sistema imunológico, estimulando a proliferação, diferenciação e maturação de linfócitos T e B, amplificando a ação de IL-2 e promovendo a inibição da apoptose dessas células. Há diversas evidências da participação da PRL na fisiopatologia das doenças autoimunes, especialmente do lúpus eritematoso sistêmico (LES), epidemiológicas e provenientes de estudos em modelos animais, in vitro e in vivo. A presença da PRL monomérica, biologicamente ativa, correlaciona-se com a atividade lúpica, enquanto que a macroprolactinemia, caraterizada pela presença de um anticorpo anti-PRL, se correlaciona negativamente. Há ainda pontos que merecem melhor esclarecimento: Qual a origem da PRL nos pacientes com hiperprolactinemia (hipofisária versus extra-hipofisária)? Há aumento da bioatividade da PRL? Há mutações ou polimorfismos no gene da PRL ou de seu receptor? O tratamento da hiperprolactinemia ou o uso de agonistas da PRL podem mudar a história natural do LES?

Keywords : prolactina; hiperprolactinemia; lúpus eritematoso sistêmico; citocina; autoimunidade.

        · abstract in English     · text in English | Portuguese     · pdf in English | Portuguese