SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.15 número3Efeito da marcha e do repouso após aplicação de três protocolos de crioterapia na recuperação da velocidade de condução sensorial e motora em sujeitos saudáveisTestes clinimétricos de dois instrumentos que mensuram atitudes e crenças de profissionais de saúde sobre a dor lombar crônica índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Brazilian Journal of Physical Therapy

versão impressa ISSN 1413-3555

Resumo

SILVA, Juscelio P. et al. Fatores clínicos, funcionais e inflamatórios associados à fadiga muscular e à fadiga autopercebida em idosas da comunidade. Rev. bras. fisioter. [online]. 2011, vol.15, n.3, pp. 241-248. ISSN 1413-3555.  http://dx.doi.org/10.1590/S1413-35552011000300011.

CONTEXTUALIZAÇÃO: A fadiga é um sintoma comum e inespecífico associado aos problemas crônicos de saúde nos idosos. As alterações e adaptações do processo de envelhecimento associadas à natureza complexa e multidimensional da fadiga favorecem a interação de múltiplos fatores na gênese desse fenômeno. OBJETIVOS: Investigar a associação dos fatores clínicos, funcionais e inflamatórios com a fadiga muscular e a autopercebida em idosas. MÉTODOS: Participaram 135 idosas sedentárias da comunidade, com média de idade de 71,2±4,57. Questionário estruturado e teste funcional foram utilizados para avaliar as características clínicas e funcionais. As concentrações plasmáticas dos mediadores inflamatórios (IL-6 e sTNFR1) foram dosadas pelo método ELISA. A fadiga muscular foi mensurada pelo dinamômetro isocinético, e a fadiga autopercebida, pela Escala Visual Analógica (EVA). A análise estatística foi realizada pela regressão linear múltipla e pelo Coeficiente de Correlação de Spearman, com nível de significância de 5%. RESULTADOS: Os modelos de regressão demonstraram que os fatores idade, índice de massa corporal (IMC), nível de atividade física, capacidade funcional e pico de torque foram associados à fadiga muscular (R2=0,216, p<0,01). A fadiga autopercebida foi associada ao número de comorbidades, estado depressivo, nível de atividade física, capacidade funcional, pico de torque e saúde percebida (R2=0,227, p<0,01). CONCLUSÃO: O presente estudo mostrou uma interação psicofísica da fadiga, identificando os principais fatores associados à fadiga muscular e à autopercebida em idosas. Esses achados demonstram a importância da avaliação e tratamento dos fatores modificáveis tanto na fadiga muscular quanto na autopercebida, buscando um melhor desempenho físico-funcional dos idosos.

Palavras-chave : fadiga muscular; fadiga autopercebida; envelhecimento; idosos.

        · resumo em Inglês     · texto em Português | Inglês     · pdf em Português | Inglês