SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.15 número3Efeito da marcha e do repouso após aplicação de três protocolos de crioterapia na recuperação da velocidade de condução sensorial e motora em sujeitos saudáveisTestes clinimétricos de dois instrumentos que mensuram atitudes e crenças de profissionais de saúde sobre a dor lombar crônica índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Brazilian Journal of Physical Therapy

versão impressa ISSN 1413-3555

Resumo

SILVA, Juscelio P. et al. Fatores clínicos, funcionais e inflamatórios associados à fadiga muscular e à fadiga autopercebida em idosas da comunidade. Rev. bras. fisioter. [online]. 2011, vol.15, n.3, pp.241-248. ISSN 1413-3555.  http://dx.doi.org/10.1590/S1413-35552011000300011.

CONTEXTUALIZAÇÃO: A fadiga é um sintoma comum e inespecífico associado aos problemas crônicos de saúde nos idosos. As alterações e adaptações do processo de envelhecimento associadas à natureza complexa e multidimensional da fadiga favorecem a interação de múltiplos fatores na gênese desse fenômeno. OBJETIVOS: Investigar a associação dos fatores clínicos, funcionais e inflamatórios com a fadiga muscular e a autopercebida em idosas. MÉTODOS: Participaram 135 idosas sedentárias da comunidade, com média de idade de 71,2±4,57. Questionário estruturado e teste funcional foram utilizados para avaliar as características clínicas e funcionais. As concentrações plasmáticas dos mediadores inflamatórios (IL-6 e sTNFR1) foram dosadas pelo método ELISA. A fadiga muscular foi mensurada pelo dinamômetro isocinético, e a fadiga autopercebida, pela Escala Visual Analógica (EVA). A análise estatística foi realizada pela regressão linear múltipla e pelo Coeficiente de Correlação de Spearman, com nível de significância de 5%. RESULTADOS: Os modelos de regressão demonstraram que os fatores idade, índice de massa corporal (IMC), nível de atividade física, capacidade funcional e pico de torque foram associados à fadiga muscular (R2=0,216, p<0,01). A fadiga autopercebida foi associada ao número de comorbidades, estado depressivo, nível de atividade física, capacidade funcional, pico de torque e saúde percebida (R2=0,227, p<0,01). CONCLUSÃO: O presente estudo mostrou uma interação psicofísica da fadiga, identificando os principais fatores associados à fadiga muscular e à autopercebida em idosas. Esses achados demonstram a importância da avaliação e tratamento dos fatores modificáveis tanto na fadiga muscular quanto na autopercebida, buscando um melhor desempenho físico-funcional dos idosos.

Palavras-chave : fadiga muscular; fadiga autopercebida; envelhecimento; idosos.

        · resumo em Inglês     · texto em Português | Inglês     · Português ( pdf epdf ) | Inglês ( pdf epdf )

 

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons