SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.15 issue4Urinary incontinence and perineal muscle function in physically active and sedentary elderly womenHigh-voltage electrical stimulation improves nerve regeneration after sciatic crush injury author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Brazilian Journal of Physical Therapy

Print version ISSN 1413-3555

Abstract

LUSTOSA, Lygia P. et al. Efeito de um programa de resistência muscular na capacidade funcional e na força muscular dos extensores do joelho em idosas pré-frágeis da comunidade: ensaio clínico aleatorizado do tipo crossover. Rev. bras. fisioter. [online]. 2011, vol.15, n.4, pp. 318-324. ISSN 1413-3555.  http://dx.doi.org/10.1590/S1413-35552011000400010.

CONTEXTUALIZAÇÃO: Na síndrome de fragilidade em idosos, há diminuição das reservas de energia e resistência aos estressores, com aumento da vulnerabilidade. OBJETIVO: Verificar o efeito do treinamento de força muscular com carga na capacidade funcional e força muscular dos extensores do joelho e sua associação, após treinamento, em idosas pré-frágeis da comunidade. MÉTODOS:Participaram 32 idosas, pré-frágeis, da comunidade. Excluíram-se aquelas com Miniexame do Estado Mental (MEEM) incompatível; cirurgias ortopédicas dos membros inferiores; fraturas; doenças neurológicas; doenças inflamatórias agudas; neoplasias; atividade física regular; uso de medicamento com ação no sistema imunológico e sem marcha independente. Avaliou-se a capacidade funcional (Timed Up and Go - TUG e velocidade de marcha - TC10) e a força muscular dos extensores do joelho (Byodex System 3 Pro®) nas velocidades angulares de 60 e 1800/s. Para o fortalecimento muscular, utilizou-se carga de 75% de resistência máxima (1RM), durante dez semanas, três vezes/semana. A análise estatística foi feita pela ANOVA e Spearman (α=5%). RESULTADOS: Após o treinamento, houve melhora estatística do trabalho normalizado em 1800/s (F=12,71, p=0,02), na potência, em 1800/s (F=15,40, p=0,02) e na capacidade funcional (TUG, F=9,54, p=0,01; TC10, F=3,80, p=0,01). Houve boa correlação negativa significativa do TUG com as medidas de trabalho normalizado em 60 e 1800/s (r=-0,65, p=0,01; r=-0,72, p=0,01). CONCLUSÃO: O treinamento produziu melhora da potência muscular e capacidade funcional. A melhora da potência associou-se à melhora funcional, importante variável para a qualidade de vida de idosas pré-frágeis. Artigo registrado no ISRCT register sob o número ISRCTN62824599.

Keywords : fisioterapia; reabilitação; idoso; desempenho funcional; força muscular.

        · abstract in English     · text in English | Portuguese     · pdf in English | Portuguese