SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.16 issue3Attitudes and beliefs of Brazilian physical therapists about chronic low back pain: a cross-sectional study author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Brazilian Journal of Physical Therapy

Print version ISSN 1413-3555

Abstract

SILVA, Carlos A.; GUIRRO, Rinaldo R. J.; DELFINO, Gabriel B.  and  ARRUDA, Eder J.. Proposta de modelo experimental não-invasivo para indução de escoliose em ratos. Rev. bras. fisioter. [online]. 2012, vol.16, n.3, pp. 254-260.  Epub Apr 05, 2012. ISSN 1413-3555.  http://dx.doi.org/10.1590/S1413-35552012005000015.

CONTEXTUALIZAÇÃO: Encontram-se na literatura diversos modelos experimentais de indução de escoliose em ratos, porém evidencia-se o uso de drogas ou intervenções invasivas para a geração da curvatura escoliótica. OBJETIVOS: Projetar e aplicar um modelo de imobilização não-invasiva para a indução de escoliose em ratos. MÉTODOS: Ratos Wistar machos com idade inicial de quatro semanas (85±3,3g) foram divididos nos grupos controle (GC) e escoliose (GE). Os animais do GE foram imobilizados por dois cintos (escapular e pélvico) de policloreto de vinila (PVC), interligados externamente por um limitador que regulava o ângulo da escoliose durante 12 semanas, com convexidade à esquerda. Após a imobilização, os músculos abdominais, intercostais, paravertebrais e peitorais bilateralmente foram coletados para as análises químio-metabólicas. Os registros radiológicos foram realizados a cada 30 dias, num total de 16 semanas. RESULTADOS: O modelo foi eficiente e eficaz na indução da escoliose, mesmo após 30 dias da desmobilização, mantendo um ângulo estável de 28±5 graus. Quanto às análises químio-metabólicas, observou-se diminuição (p<0,05) nas reservas glicogênicas e na relação proteína total/DNA de todos os músculos analisados do GE, sendo menores (p<0,05) no lado da convexidade. Os valores do HOMA-IR indicaram um quadro de resistência à insulina (p<0,05) no GE (0,66±0,03) quando comparado ao GC (0,81±0,02). CONCLUSÕES: A curvatura escoliótica manteve-se estável após 30 dias da desmobilização, e as alterações químio-metabólicas sugeriram a ocorrência de modificações na homeostasia muscular durante o processo indutor da escoliose.

Keywords : escoliose; musculoesquelético; modelo não-invasivo.

        · abstract in English     · text in English     · pdf in English