SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.16 número6Intra-observer reproducibility of the feet soles two-point discrimination test in asymptomatic elderly and young individuals índice de autoresíndice de materiabúsqueda de artículos
Home Pagelista alfabética de revistas  

Brazilian Journal of Physical Therapy

versión impresa ISSN 1413-3555

Resumen

PICON, Andreja P. et al. Pacientes diabéticos com e sem a neuropatia periférica mostram diferentes estratégias biomecânicas de quadril e tornozelo ao descer escada. Rev. bras. fisioter. [online]. 2012, vol.16, n.6, pp. 528-534.  Epub 2012. ISSN 1413-3555.  http://dx.doi.org/10.1590/S1413-35552012005000048.

CONTEXTUALIZAÇÃO: A progressão do Diabetes Mellito e as atividades desafiadoras do dia a dia podem resultar em mudanças da estratégia biomecânica adotada. Descer escadas é uma tarefa comum do dia a dia, vivenciada pelos pacientes, mas ainda não foi satisfatoriamente estudada nessa população. OBJECTIVOS: Descrever e comparar os momentos articulares e a cinemática de membros inferiores em indivíduos diabéticos com e sem a neuropatia periférica e controles saudáveis durante o descer escadas. MÉTODO: Quarenta e dois adultos foram avaliados: grupo controle (13), grupo diabético (15) e grupo de diabéticos neuropatas (14). Os picos flexores e extensores dos momentos articulares e os ângulos articulares de quadril, joelho e tornozelo foram comparados e descritos por análise do tamanho do efeito e ANOVAs (p<0,05). RESULTADOS: Na fase de aceitação do peso, ambos os grupos diabéticos apresentaram maior ângulo de dorsiflexão de tornozelo [tamanho de efeito grande] e menor momento extensor de quadril [tamanho de efeito grande]. Na fase de propulsão, diabéticos com e sem a neuropatia apresentaram maior momento flexor de quadril [tamanho de efeito grande] e menor ângulo de extensão de tornozelo [tamanho de efeito grande]. CONCLUSÃO: Pacientes diabéticos, mesmo antes da neuropatia instalada, revelaram um pobre controle excêntrico na fase de aceitação do peso e, na fase de propulsão, esses pacientes mostraram uma estratégia diferente ao levar o membro inferior à frente a partir de um maior torque flexor de quadril ao invés de usar uma função extensora apropriada de tornozelo.

Palabras llave : biomecânica; polineuropatias diabéticas; cinemática; cinética; movimento.

        · resumen en Inglés     · texto en Inglés     · pdf en Inglés