SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.29 número1Uso de aditivos promotores de crescimento sobre o desempenho, características de carcaça e bactérias totais do intestino de frangos de corteValores de energia metabolizável de alimentos para pintos de corte na fase pré-inicial índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Ciência e Agrotecnologia

versão impressa ISSN 1413-7054versão On-line ISSN 1981-1829

Resumo

SANTOS, Zuleide Alves de Souza et al. Valor nutricional de alimentos para suínos determinado na Universidade Federal de Lavras. Ciênc. agrotec. [online]. 2005, vol.29, n.1, pp.232-237. ISSN 1413-7054.  https://doi.org/10.1590/S1413-70542005000100029.

Foram conduzidos seis ensaios de metabolismo no Departamento de Zootecnia da Universidade Federal de Lavras (UFLA) no ano de 2002, com objetivo de avaliar a composição química e nutricional de 8 alimentos protéicos e 10 energéticos. Para o primeiro ensaio, foram selecionados animais de peso-vivo médio de 40,4 kg, sendo analisado o farelo de algodão, soja micronizada, farelo de soja, farelo de linhaça, farinha de pâncreas suíno, farinha de vísceras suína, milho comum, milheto em grão e moído, resíduo de bolacha,  óleo de canola, óleo de linhaça, óleo de soja, gordura de coco e gordura suína. Para o segundo ensaio, foram selecionados animais de 50,2 kg e foi analisado o farelo de amendoim e milho QPM. Um total de 72 suínos machos, castrados e mestiços (Landrace x Large White), foram utilizados nos ensaios, e a metodologia adotada foi a da coleta total de fezes e urina. Desta forma, cada alimento foi testado em três repetições. Os valores obtidos de coeficiente de digestibilidade da proteína bruta (CDPB), valores de energia digestível (ED) e energia metabolizável (EM) para os alimentos protéicos de origem vegetal foram 66,2%, 2480 kcal/kg, 2190 kcal/kg, para farelo de algodão; 77,73%, 2365 kcal/kg, 2289 kcal/kg, para o farelo de girassol; 72,3%, 2880 kcal/kg, 2580 kcal/kg para farelo de linhaça; 86,5%, 3430 kcal, 3360 kcal/kg para farelo de soja 46% proteína bruta; 86,8%, 4580 kcal/kg, 4350 kcal/kg para soja micronizada; 81,2%, 3292 kcal/kg, 3146 kcal/kg para o farelo de amendoim. Para os alimentos protéicos de origem animal foram 47,3%, 3470 kcal/kg, 3310 kcal/kg para farinha de pâncreas suína; 81,3%, 3660 kcal/kg, 3535 kcal/kg para farinha de vísceras suína. Para os alimentos energéticos de origem vegetal foram 84,4%, 3220 kcal/kg, 3185 kcal/kg para a farinha de bolacha; 85,3%, 3480 kcal, 3320 kcal/kg para o milho moído; 81,2%, 3308 kcal/kg; 3257 kcal/kg para o milho QPM; 86,2%, 3213 kcal/kg, 3048 kcal/kg para o milheto moído; 83,5%, 3123 kcal/kg, 2950 kcal /kg para o milheto em grão inteiro. Para óleos e gorduras os valores de energia digestível (ED) e energia metabolizável (EM) foram 8630 kcal/kg, 8340 kcal/kg para o óleo de canola; 8380 kcal/kg, 8220 kcal/kg para o óleo de linhaça; 8670 kcal/kg, 8340 kcal/kg para o óleo de soja; 8110 kcal/kg, 7960 kcal/kg para a gordura de coco; 8630 kcal/kg, 8280 kcal/kg para a gordura suína. De uma maneira geral, os dados analisados mostram variações na composição química, digestibilidade e valores energéticos dos alimentos, em relação aos citados nas tabelas brasileiras e estrangeiras, e valores citados por outras pesquisas referenciadas nas literaturas consultadas. Os valores obtidos no presente trabalho, além de fornecerem subsídios para aumentar as informações do banco de dados como forma de contribuir na elaboração de uma tabela nacional de alimentos para suínos, também poderão possibilitar  melhorias técnicas  para a formulação de rações para suínos.

Palavras-chave : Ingredientes; protéicos; energéticos; metabolismo.

        · resumo em Inglês     · texto em Português     · Português ( pdf )

 

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons