SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.31 número4Qualidade de tangerina 'poncã' minimamente processada, armazenada a 5°cAnálise temporal da permeabilidade da superfície urbana da sub-bacia do córrego centenário em Lavras, MG índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Ciência e Agrotecnologia

versão impressa ISSN 1413-7054versão On-line ISSN 1981-1829

Resumo

BACH, Dionizio Bernardino  e  LOPES, Marcos Aurélio. Estudo da viabilidade econômica do cultivo da babosa (aloe vera L.). Ciênc. agrotec. [online]. 2007, vol.31, n.4, pp.1136-1144. ISSN 1413-7054.  https://doi.org/10.1590/S1413-70542007000400029.

Conduziu-se este este trabalho, com o objetivo de estudar a viabilidade econômica da babosa e verificar se o cultivo desta planta é ou não, uma alternativa economicamente viável ao produtor rural. Os dados relativos ao custo de produção, utilizados neste trabalho, foram obtidos junto às áreas de produção e instalações industriais da NATURAMA - Indústria e Comércio de Produtos Agropecuários Ltda, estabelecida no município de Paulo Lopes, SC. Na determinação do custo de produção de um hectare de babosa, em cultivo orgânico, foram consideradas todas as etapas, desde a obtenção das mudas até a conclusão do processamento, quando o produto final encontra-se apto ao consumo, e neste caso, é uma bebida em forma de suco. O processamento dos dados foi realizado utilizando uma planilha eletrônica desenvolvida especificamente para esse fim, a qual estimou os custos utilizando as metodologias do custo total (custos fixos e variáveis) e do custo operacional total (custo operacional efetivo e depreciações). Pela análise da rentabilidade, conclui-se que a atividade é economicamente viável.

Palavras-chave : Cultivo orgânico; custo de produção; rentabilidade; Aloe vera.

        · resumo em Inglês     · texto em Português     · Português ( pdf )

 

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons