SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.32 número3Perfil hematológico de cabras clinicamente sadias criadas no Cariri paraibanoAvaliação do ciclo e produção da planta-filha em função do manejo da planta-mãe em diferentes épocas do ano em bananeira Prata-Anã índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Ciência e Agrotecnologia

versão impressa ISSN 1413-7054versão On-line ISSN 1981-1829

Resumo

MARTINS, Terezinha Domiciano Dantas; COSTA, Alberto Neves  e  SILVA, José Humberto Vilar Da. Respostas termorreguladoras de matrizes suínas híbridas em lactação, mantidas em ambiente quente. Ciênc. agrotec. [online]. 2008, vol.32, n.3, pp.961-968. ISSN 1413-7054.  https://doi.org/10.1590/S1413-70542008000300038.

Objetivou-se avaliar a adaptabilidade fisiológica de 73 matrizes suínas híbridas em lactação ao ambiente quente. As fêmeas foram distribuídas em delineamento inteiramente casualizado, num esquema fatorial de 5 x 4 x 4, sendo, cinco ordens de parto - OP (1ª, 2ª, 3ª, 4ª e 5ª), quatro momentos em relação ao parto (quatro dias antes e 3, 10 e 17º dia depois) e quatro horas do dia (8, 12, 16 e 20 h). A temperatura retal (TR) oscilou com a hora do dia, a OP, e o momento de avaliação, sendo maior às 16 h, em primíparas e na fase inicial da lactação. A freqüência respiratória permaneceu elevada, principalmente entre as 12 e 16 h do dia em fêmeas jovens. Conclui-se que o calor intenso entre 12 e 16 h conduz aos animais ao desconforto térmico, sendo as primíparas a categoria de menor adaptabilidade.

Palavras-chave : Adaptabilidade; frequência respiratória; temperatura retal.

        · resumo em Inglês     · texto em Português     · Português ( pdf )

 

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons