SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.35 número2Qualidade do café conilon submetido à secagem em terreiro híbrido e de concretoCurva de absorção de micronutrientes na cultura do girassol índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Ciência e Agrotecnologia

versão impressa ISSN 1413-7054

Resumo

GROHS, Mara et al. Resposta do arroz irrigado ao uso de inibidor de urease em plantio direto e convencional. Ciênc. agrotec. [online]. 2011, vol.35, n.2, pp. 336-345. ISSN 1413-7054.  http://dx.doi.org/10.1590/S1413-70542011000200015.

O objetivo do presente trabalho foi avaliar a volatilização de N-NH3 e a resposta do arroz irrigado ao uso de ureia com inibidor de urease em dois sistemas de cultivo, direto e convencional. Para tanto, desenvolveu-se um experimento em campo, no ano agrícola 2008/09, na UFSM em Santa Maria/RS. O delineamento utilizado foi de blocos ao acaso em esquema bifatorial (2x5), sendo o fator A constituído por ureia e ureia revestida com B e Cu (inibidor de urease) e o fator B composto por diferentes intervalos de entrada de água (0, 3, 6, 9, 12 dias) após a aplicação das fontes de nitrogênio (N). Os resultados demonstram que o inibidor de urease retarda e diminui a conversão de N para NH3, reduzindo as perdas por volatilização, comparativamente à ureia sem inibidor. Entre os sistemas, as perdas são potencializadas no sistema plantio direto. O inibidor de urease não traz benefícios à produtividade em qualquer um dos sistemas de cultivo utilizados e o estresse causado na planta de arroz pelo atraso no início da irrigação é mais prejudicial do que as perdas causadas pela volatilização de N-NH3.

Palavras-chave : Ureia; perdas de nitrogênio; Oryza sativa.

        · resumo em Inglês     · texto em Português     · pdf em Português