SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.35 número2Avaliação do comportamento de ovinos Santa Inês em sistema silvipastoril no norte fluminenseExigência de cálcio para codornas japonesas (Coturnix coturnix japonica) machos na fase de 1 a 21 dias de idade índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Ciência e Agrotecnologia

versão impressa ISSN 1413-7054

Resumo

PEDROSA, Zilmara Vieira; CAVALHEIRO, José Marcelino Oliveira; PRADO, João Paulo de Sousa  e  OLIVEIRA, Valdir Mendes Soares de. Degradação de α-Tocoferol, retinol e ácido ascórbico durante processamento e armazenamento de rações para camarão. Ciênc. agrotec. [online]. 2011, vol.35, n.2, pp.404-409. ISSN 1413-7054.  https://doi.org/10.1590/S1413-70542011000200024.

O cultivo de camarão marinho é um setor de grande viabilidade econômica, principalmente na região Nordeste. Entretanto, a alimentação dos camarões é responsável pelo maior custo no cultivo desses crustáceos, a ração deve ser nutricionalmente eficiente, sendo indispensável a presença das vitaminas que são substâncias fundamentais para o funcionamento do organismo animal, e sua falta resulta frequentemente em crescimento e desenvolvimento deficiente. O retinol, -tocoferol e o ácido ascórbico são vitaminas que atuam em diversos processos metabólicos. São indispensáveis em rações animais porque são antioxidantes que auxiliam os animais contra o estresse oxidativo. Objetivou-se, neste trabalho, avaliar as perdas das vitaminas durante o processamento das dietas e no período de armazenagem. Foram formuladas oito dietas isoprotéicas com diferentes níveis de vitamina A, E e C que foram processadas com temperatura de até 80ºC. Após a fabricação e depois de 60 dias de armazenagem foram analisadas e quantificadas as vitaminas a fim de descobrir as perdas durante o processamento e após estocagem. Constatou-se que a vitamina A, que foi adicionada na dieta, foi perdida em até 99,56%. Já a vitamina E perdeu no máximo 93,5% e a vitamina C com 70% de perda, durante o processamento. Durante o período de armazenagem as perdas foram menores. Pode-se concluir que as vitaminas são extremamente sensíveis aos fatores que atuam durante a manufatura das dietas, ocasionando perdas consideráveis de vitaminas.

Palavras-chave : Alimentação animal; vitaminas; estabilidade.

        · resumo em Inglês     · texto em Português     · Português ( pdf )

 

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons