SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.35 número3Enzymatic characterization of cysteine protease isoforms of Anticarsia gemmatalis (Hübner, 1818)Growth and productivity of irrigated rice in response to diferent doses of phosphorus and potassium in lowland soil of first year in the state of Roraima índice de autoresíndice de materiabúsqueda de artículos
Home Pagelista alfabética de revistas  

Ciência e Agrotecnologia

versión impresa ISSN 1413-7054

Resumen

VIEIRA, Eduardo Alano et al. Caracterização molecular de acessos de mandioca açucarados e não açucarados. Ciênc. agrotec. [online]. 2011, vol.35, n.3, pp. 455-461. ISSN 1413-7054.  http://dx.doi.org/10.1590/S1413-70542011000300003.

Acessos de mandioca que armazenam açúcares livres em suas raízes de reserva e não somente amido, como os acessos de mandioca cultivados comercialmente, vêm recebendo destaque atualmente. Esses acessos são popularmente conhecidos como mandiocas açucaradas ou mandiocabas, e evidenciam potencial de uso na produção de álcool combustível. Entretanto, esse germoplasma ainda não foi suficientemente estudado quanto àsua variabilidade genotípica, o que é fundamental para sua conservação e utilização no melhoramento genético. Neste tabalho, objetivou-se caracterizar por meio de marcadores RAPD 14 acessos de mandioca açucarados e não açucarados. Em laboratório, os acessos foram avaliados por meio de 12 iniciadores RAPD. Posteriormente, foi estimada a matriz de dissimilaridade genética entre os acessos, por meio da utilização do complemento do índice de Jaccard. Os iniciadores geraram 131 marcadores RAPD, dos quais 73% foram polimórficos, evidenciando a existência de variabilidade e a eficiência da técnica de RAPD. Os acessos mais similares foram BGMC 1207 e BGMC 1209, ambos açucarados e os menos similares foram o açucarado BGMC 1219 e a cultivar BGMC 436. Os acessos foram divididos em quatro grupos, sendo o primeiro grupo formado pelos 10 acessos açucarados, o segundo grupo formado por dois acessos locais não açucarados, o terceiro e o quarto foram formados pelos acessos melhorados BGMC 753 e BGMC 436. Os resultados obtidos revelaram a existência de elevada variabilidade genética entre os acessos avaliados e diferenciaram os acessos açucarados das cultivares locais não açucaradas e das cultivares comerciais não açucaradas.

Palabras llave : Manihot esculenta Crantz; recursos genéticos; melhoramento genético; variabilidade genética.

        · resumen en Inglés     · texto en Portugués     · pdf en Portugués