SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.35 número4Produção de progesterona em novilhas Holandesas superovuladas e receptoras de embrião mestiças suplementadas com betacaroteno e tocoferolUso da alga Lithothamnium calcareum como fonte alternativa de cálcio nas rações de frangos de corte índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Ciência e Agrotecnologia

versão impressa ISSN 1413-7054

Resumo

GUIMARAES, Antônio Marcos; CARVALHO, André Henrique Oliveira; DAHER, Débora Oliveira  e  HIRSCH, Christian. Soroprevalência e fatores de risco para Babesia bovis em rebanhos leiteiros na região sul de minas gerais. Ciênc. agrotec. [online]. 2011, vol.35, n.4, pp.826-832. ISSN 1413-7054.  https://doi.org/10.1590/S1413-70542011000400024.

Conduziu-se este trabalho, com o objetivo de determinar a prevalência e os fatores de risco associados à soropositividade para Babesia bovis em 556 bovinos leiteiros procedentes de dez propriedades localizadas no sul de Minas Gerais, as quais foram divididas em dois grupos de acordo com a produção média diária de leite: Alta Produção (AP) >2.000 l de leite/dia, e Baixa Produção (BP) 500 l de leite/dia. Os soros foram submetidos à reação de imunofluorescência indireta (RIFI) para pesquisa de anticorpos anti-B. bovis e considerados positivos na diluição de 1:320. A análise estatística foi realizada no programa SPSS 12.0 for Windows e se buscou determinar a associação entre níveis de positividade para B. bovis nos rebanhos e os fatores de risco por meio do Teste Exato de Fischer. Para testar a diferença das médias de soropositividade, foi utilizado o teste T Student e em todos os cálculos considerou-se o grau de significância de 95%. A prevalência média global de bovinos infectados por B. bovis foi de 94,1% (523/556). Não houve diferença significativa na frequência média de anticorpos anti-B. bovis entre as propriedades leiteiras dos grupos de AP (95,97%) e BP (92,22%); e o mesmo resultado foi observado entre os animais jovens e adultos de ambos os grupos. Não foi observada associação significativa entre os fatores de risco avaliados e a taxa de bovinos positivos para B. bovis. A alta prevalência de rebanhos leiteiros soropositivos permite caracterizar, epidemiologicamente, a microrregião de Lavras, sul de Minas Gerais, como área de elevada estabilidade endêmica para B. bovis.

Palavras-chave : Babesiose; bovinos leiteiros; reação de imunofluorescência indireta (RIFI); tristeza parasitária bovina.

        · resumo em Inglês     · texto em Português     · Português ( pdf )

 

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons