SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.36 número1Características tecnológicas e sensoriais de apresuntados com baixo teor de gordura elaborados com soro de leiteDietas com reduzidos níveis de nutrientes, suplementadas com fitase e aminoácidos, para frangos de corte índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Ciência e Agrotecnologia

versão impressa ISSN 1413-7054

Resumo

DANIEL, João Luiz Pratti  e  RESENDE JUNIOR, João Chrysostomo de. Absorção e metabolismo de ácidos graxos voláteis pelo rúmen e omaso. Ciênc. agrotec. [online]. 2012, vol.36, n.1, pp.93-99. ISSN 1413-7054.  https://doi.org/10.1590/S1413-70542012000100012.

A capacidade de absorção e metabolismo de ácidos graxos voláteis (AGV) pelo rúmen e omaso foi comparada, in vitro. Fragmentos da parede do rúmen e das lâminas do omaso foram coletados de oito bovinos mestiços adultos. Um fragmento isolado da mucosa foi colocado em uma câmara de difusão tecidual. Ácido valérico e CrEDTA foram adicionados ao fluido ruminal e colocados no compartimento da câmara voltados para a mucosa e uma solução tampão foi colocada no compartimento voltado para a serosa. As taxas fracionais de absorção foram medidas pela queda exponencial da relação VFA:Cr ao longo do tempo. A taxa de metabolismo foi determinada pela diferença entre a quantidade de AGV absorvida e a detectada no compartimento serosal da câmara. O índice mitótico foi mais alto no epitélio do omaso (0.52%) do que no do rúmen (0.28%), bem como a taxa fracional de absorção, 4.6%/h.cm2 e 0.4%/h.cm2, respectivamente. Acetato, propionato, butirato e valerato tiveram taxas fracionais de absorções similares em ambos os compartimentos. As porcentagens do acetato e do propionato metabolizados foram mais baixas do que a do butirato e valerato em ambos os compartimentos. No rúmen, a taxa metabólica individual dos AGV foi similar (média de 7.7 mas, no omaso, o valerato (90.0 foi mais metabolizado do que o butirato (59.6 propionato (69.8 e acetato (51.7 . A correlação entre o metabolismo de AGV e o índice mitótico foi positiva no rúmen e no omaso. Concluiu-se que o potencial de metabolismo e de absorção de AGV por unidade de área do omaso é mais alto do que o do rúmen. A variação da capacidade de absorção do rúmen e do omaso ocorre na mesma direção e existem indícios de que os fatores capazes de estimular a proliferação da parede do rúmen são também capazes de estimular a parede do omaso.

Palavras-chave : Morfologia; fisiologia; bovino; câmara de ussing; proventrículo.

        · resumo em Inglês     · texto em Inglês     · Inglês ( pdf )

 

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons