SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.40 número3Eficiência de lambda-cialotrina no controle da broca-do-fruto e aspectos quali-quantitativos da pulverização na cultura da pinhaConcentração de nitrato e potássio em solo fertirrigado e cultivado com videira de vinho índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Ciência e Agrotecnologia

versão impressa ISSN 1413-7054versão On-line ISSN 1981-1829

Resumo

SCOLFORO, José Roberto Soares et al. Estratégias de manejo da candeia, Eremanthus erythropappus (DC.) MacLeish em diferentes espaçamentos. Ciênc. agrotec. [online]. 2016, vol.40, n.3, pp.298-304. ISSN 1413-7054.  https://doi.org/10.1590/1413-70542016403042715.

Eremanthus erythropappus, conhecida vulgarmente por candeia, é uma árvore nativa do Brasil, geradora de renda devido à elevada durabilidade apresentada por sua madeira e, também, pelo seu óleo produzido conter, como ingrediente majoritário, o alfa bisabolol. Apesar deste potencial econômico, até o início do ano 2000, a espécie não contemplava estudos sobre seu sistema de cultivo, tanto para o manejo sustentável em áreas de ocorrência natural quanto para o estabelecimento de plantios comerciais. Este estudo propõe estudar novas estratégias de manejo com base em modelo de árvore individual, e avaliar o crescimento da candeia em diferentes espaçamentos. O experimento teve início em março de 2002, no município de Carrancas, Minas Gerais, Brasil. A área experimental foi dividida em quatro blocos, com quatro diferentes espaçamentos como tratamentos. O modelo avaliado para definir o melhor sistema de manejo foi baseado na relação entre o desenvolvimento da área de copa e do DAP das árvores. Os resultados mostraram que a candeia foi sensível a variação no espaçamento inicial. Aumentando o espaçamento inicial, a competição entre as árvores de candeia ocorre mais tarde, ou seja, à medida que o espaçamento aumenta demora-se mais para que o plantio perca o ritmo desejado de crescimento. O modelo testado foi consistente e a técnica baseada na árvore individual apresentou flexibilidade, fornecendo alternativas para diferentes estratégias de manejo. As melhores respostas de crescimento foram obtidas para densidades iniciais de plantio a partir de 3,75 m² por planta, área que corresponde a um espaçamento de 1,5m x 2,5m.

Palavras-chave : Área de copa; densidade; modelo monomolecular; modelo de árvore individual.

        · resumo em Inglês     · texto em Inglês     · Inglês ( pdf )