SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.42 número3Resposta fisiológica de coelhos alimentados com dietas que contêm farelo de canola, semente de tremoço branco e de ervilha como substitutos do farelo de soja extraído por meio de solventesMétodos heurísticos na modelagem da evapotranspiração de referência índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Ciência e Agrotecnologia

versão impressa ISSN 1413-7054versão On-line ISSN 1981-1829

Resumo

AMECA, Graciela Munguía et al. Composição química e capacidade antioxidante da polpa do café. Ciênc. agrotec. [online]. 2018, vol.42, n.3, pp.307-313. ISSN 1413-7054.  https://doi.org/10.1590/1413-70542018423000818.

A polpa de café é produzida em grandes quantidades e sua eliminação contribue para a poluição do ambiente. Não entanto, seu alto valor nutricional e capacidade antioxidante a torna uma opção para a alimentação animal. O objetivo deste estudo foi determinar a composição química, o teor de compostos fenólicos e a capacidade antioxidante da polpa de café fresco (PCF), ensilada (PCE) ou ensilada e seca ao sol (PCED). O delineamento experimental foi inteiramente casualizado com três tratamentos (n=4). Matéria seca (MS), proteína bruta (PB), cinzas (CEN), fibra em detergente neutro (NDF), fibra em detergente ácido (ADF), lignina, compostos fenólicos e capacidade antioxidante foram avaliadas. Os dados foram analisados por análise de variância e as médias pelo teste de Tukey. A percentagem de PB, NDF e ADF foi maior no PCE, e PCED em relação ao PCF. Nenhuma alteração no teor de lignina foi encontrado. Silagem e desidratação ao sol não afetou o teor de cafeína ou tanino. Não houve diferença na proporção de ácido caféico (2,031±2,873, 5,103±0,391, 4,913±0.018 mg g-1 MS no PCF, PCE, PCED, respectivamente). O ácido clorogênico (2,593±1,756 mg g-1 FCP; 5,368±0,422 mg g-1 ECP; 4,875±0,678 mg g-1 EDCP) aumentou com o processo de ensilagem, mas não foi afetado pela desidratação ao sol. O teor de etanol decreceu no PCE e PCED, em relação ao PCF (PCF 15.88±0.97%; PCE 7,04±1.16%; PCED 0,00%), enquanto que a capacidade antioxidante não foi afetada. Em concluão o processo de ensilagem e a deshidratacão ao sol afetou o valor nutritivo, mas não a capacidade antioxidante da polpa de café.

Palavras-chave : Ácidos fenólicos; cafeína em polpa de café; ensilagem de etanol..

        · resumo em Inglês     · texto em Inglês     · Inglês ( pdf )