SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.10 número1Masculinidade e violência no Brasil: contribuições para a reflexão no campo da saúdePerspectivas de prevenção da infração juvenil masculina índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Ciência & Saúde Coletiva

versão impressa ISSN 1413-8123

Resumo

BATISTA, Luís Eduardo. Masculinidade, raça/cor e saúde. Ciênc. saúde coletiva [online]. 2005, vol.10, n.1, pp. 71-80. ISSN 1413-8123.  http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232005000100013.

Estudos apontam que, no Brasil, os negros possuem menor escolaridade, menor salário, residem nos bairros de periferia das grandes cidades e estão excluídos de vários direitos sociais. Parte-se da hipótese de que o processo saúde, doença e morte é construído socialmente e demarcado pelo espaço social que homens e mulheres, brancos e negros, ocupam na sociedade. Este artigo analisa o perfil da mortalidade de homens brancos e negros, por meio dos registros de óbitos do Estado de São Paulo do ano de 1999. Examina as taxas de mortalidade por causa básica, reunidas por grupos de causas da CID-10, entre a raça/cor: branca e negra. O estudo evidencia que, quando se compara a taxa da mortalidade de homens negros e brancos, os negros morrem mais que os brancos. Dentre as causas de morte dos homens negros, destacam-se os óbitos por transtornos mentais (uso de álcool e outras drogas); doenças infecciosas e parasitárias (tuberculose e HIV/ Aids) e causas externas (homicídio).

Palavras-chave : Raça [cor]; Mortalidade; Desigualdades; Masculinidade e gênero.

        · resumo em Inglês     · texto em Português     · pdf em Português