SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.7 número2Simulação numérica de movimento de água em solo não-saturadoAjuste do modelo Chistiansen-Hargreaves para estimativa da evapotranspiração do feijão no cerrado índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental

versão impressa ISSN 1415-4366versão On-line ISSN 1807-1929

Resumo

VIEGAS, Ricardo A. et al. Crescimento, acumulação e distribuição de solutos em espécies florestais sob estresse salino. Rev. bras. eng. agríc. ambient. [online]. 2003, vol.7, n.2, pp.258-262. ISSN 1415-4366.  http://dx.doi.org/10.1590/S1415-43662003000200012.

Em condições de estresse salino a acumulação de Na+ e Cl-, na parte aérea e nas raízes, difere substancialmente entre plantas glicófitas; este fato deve-se, principalmente, à diversidade genética existente e tem sido utilizado como indicador da resposta das plantas à salinidade. Este estudo objetivou avaliar a acumulação e a distribuição de Na+ e Cl-, bem como o efeito da salinidade sobre o ganho de massa seca e a distribuição de K+, na parte aérea e raízes, em plantas jovens de Prosopis juliflora, Leucaena leucocephala, Piptadenia macrocarpa e Mimosa hostilis, com um mês de idade, cultivadas durante 30 dias em areia e irrigadas com solução nutritiva contendo 100 mol m-3 NaCl, em casa de vegetação. A acumulação de Na+ e Cl-, e não a distribuição desses íons entre parte aérea e raízes, foi dependente da espécie de planta. Em todas as espécies estudadas a acumulação de Cl- na parte aérea e nas raízes foi maior que a de Na+. A exceção da parte aérea, todas as plantas apresentaram redução significativa no conteúdo de K+ nas raízes em resposta à salinidade. A habilidade dessas plantas em proteger o metabolismo do efeito deletério da salinidade pode resultar, em parte, de uma alta relação K+/Na+. Desta forma, a Leucaena leucocephala apresentou a maior redução na produção da massa seca total (60%) e a menor relação K+/Na+ na parte aérea (0,40) enquanto que a Prosopis juliflora apresentou a menor redução na massa seca total (15%) e uma relação K+/Na+ na parte aérea, aproximadamente três vezes maior. Esses resultados sugerem que maiores relações K+/Na+ desempenham um importante papel na adaptação da planta aos estresses iônico e osmótico.

Palavras-chave : salinidade; potássio; sódio; cloreto.

        · resumo em Inglês     · texto em Inglês     · Inglês ( pdf epdf )

 

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons