SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.2 número4O incesto e as ocorrências incestuosas: notas de referênciasA cordialidade como mal-estar ou a violência como o recalcado índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental

versão impressa ISSN 1415-4714versão On-line ISSN 1984-0381

Resumo

ROCHA, Zeferino. O desejo na Grécia Arcaica. Rev. latinoam. psicopatol. fundam. [online]. 1999, vol.2, n.4, pp.94-122. ISSN 1984-0381.  https://doi.org/10.1590/1415-47141999004007.

O presente trabalho é a primeira parte de uma pesquisa sobre “O desejo na Grécia Antiga”, vale dizer, na Grécia Arcaica, na Grécia Clássica e na Grécia Helenística. Esta primeira parte é dedicada às manifestações do desejo na Grécia Arcaica, que floresceu entre os séculos VIII e VI a.C. Analisei, em primeiro lugar, a noção do thymós, como manifestação, ainda embrionária, do desejo nos poemas épicos do tempo de Homero; em seguida, destaquei o lugar do desejo na poesia lírica, na qual os poetas já falam a linguagem de seus próprios sentimentos; depois, ressaltei o papel do desejo na ética aristocrática da moderação inspirada pelas máximas dos sete sábios da Grécia. Nos poemas trágicos, indiquei a dimensão ética que reveste o desejo na responsabilidade do homem trágico diante das conseqüências de seus atos. Finalmente, dentro ainda do espírito que dominou a cultura arcaica, mostrei o lugar que o desejo ocupa no pensamento dos primeiros filósofos da Natureza, especialmente nos fragmentos de Heráclito de Éfeso e na doutrina do pitagorismo antigo.

Palavras-chave : Desejo; Grécia Arcaica; ética; pensamentos.

        · resumo em Espanhol | Francês | Inglês     · texto em Português     · Português ( pdf )