SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.21 número3A model for floral color inheritance in Leucaena (Leguminosae)The use of self-incompatibility in the production of hybrid eucalyptus seed by `Aracruz Celulose' in Brazil índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Genetics and Molecular Biology

versão impressa ISSN 1415-4757versão On-line ISSN 1678-4685

Resumo

CAMPINHOS, Eduardo N.; PETERS-ROBINSON, Ingrid; BERTOLUCCI, Fernando L.  e  ALFENAS, Acelino C.. Interspecific hybridization and inbreeding effect in seed from a Eucalyptus grandis x E. urophylla clonal orchard in Brazil. Genet. Mol. Biol. [online]. 1998, vol.21, n.3, pp.-. ISSN 1415-4757.  http://dx.doi.org/10.1590/S1415-47571998000300014.

Utilizamos aloenzimas como marcadores para estimar o grau de hibridação natural entre Eucalyptus grandis e E. urophilla em um pomar de semente híbrida comercial instalado no Espírito Santo, Brasil. Esse pomar, que compreende 7,4 hectares, foi plantado em 1982 e é constituído por 267 parcelas hexagonais. Em cada parcela a matriz E. grandis, produtora de sementes, está cercada pelos seis clones de E. urophilla, doadores de pólen. A taxa de fecundação cruzada (tm), estimada simultaneamente por vários locos de aloenzimas, foi da ordem de 70,2%, variando entre 33 e 99% em árvores individuais. Genótipos encontrados na progênie contendo alelos não presentes nos sete clones parentais permitiram detectar a contaminação do pomar por pólen de outra origem. Esses genótipos constituíram 14,4% da progênie híbrida. A origem do pólen contaminante foi atribuída a povoamentos de eucaliptos vizinhos, isolados do pomar por uma faixa de floresta nativa com 400 metros de largura. Os híbridos e as plantas resultantes de autofecundação puderam ser identificados por meio de seus genótipos de aloenzimas. Todas as plantas examinadas foram transplantadas para o campo. Medições feitas no segundo e terceiro ano após o transplante mostraram que o crescimento da progênie de autofecundação foi 30% inferior ao da progênie híbrida.

        · resumo em Inglês     · texto em Inglês

 

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons