SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.30 número4Associação entre o excesso de peso e o consumo de alimentos ultraprocessados e bebidas açucaradas por diferentes grupos vegetarianosAvaliação do estado nutricional e do crescimento em crianças e adolescentes com obstrução extra-hepática de veia porta e hipertensão portal índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista de Nutrição

versão On-line ISSN 1678-9865

Resumo

VASCONCELOS, Letícia Garcia et al. Ingestão insuficiente de ácido graxo alfa-linolênico (18:3n-3) durante a gestação e fatores associados. Rev. Nutr. [online]. 2017, vol.30, n.4, pp.443-453. ISSN 1678-9865.  http://dx.doi.org/10.1590/1678-98652017000400004.

Objetivo:

Analisar a ingestão ácidos graxos alfa-linolênico e identificar fatores associados à ingestão inadequada em duas coortes de gestantes acompanhadas trimestralmente.

Métodos:

Estudo de coorte com gestantes de baixo risco obstétrico (N=353) representativas das usuárias da rede pública de saúde de um município paulista. Nos três trimestres gestacionais foram coletados dois recordatórios alimentares de 24 horas. Análises descritivas do perfil lipídico da dieta foram processadas seguidas do teste de comparações múltiplas. As diferenças, segundo trimestre gestacional, foram avaliadas pelo teste de diferença de médias. Para avaliação da adequação do consumo foi utilizada a ingestão recomendável. A associação entre a adequação da ingestão de ácido alfa-linolênico e características maternas foi investigada por meio de modelo de regressão logística binária.

Resultados:

A contribuição percentual de lipídeos totais mostrou-se adequada;1/3 das gestantes não alcançou a recomendação de ingestão diária de ácido alfa-linolênico. Gestantes com excesso de peso apresentam o dobro de chances de consumo inadequado de ácido alfa-linolênico. Comparadas às gestantes das classes D/E, as pertencentes a classe C têm menores chances de consumo inadequado.

Conclusão:

Não há um problema de excesso de consumo de lipídeos e sim da qualidade destes, cerca de 1/3 das gestantes acompanhadas e seus conceptos estão expostos aos efeitos adversos do baixo consumo de ácidos graxos de cadeia ômega-3 na gestação, indicando importante vulnerabilidade nutricional nessa população.

Palavras-chave : Ácido alfa-linolênico; Ácidos graxos ômega-3; Ácidos graxos ômega-6; Gestantes..

        · resumo em Inglês     · texto em Inglês     · Inglês ( pdf epdf )