SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.14 número5Expansão cirúrgica da maxilaO tratamento da Classe III: revisão sistemática - Parte I. Magnitude, direção e duração das forças na protração maxilar índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista Dental Press de Ortodontia e Ortopedia Facial

versão On-line ISSN 1980-5500

Resumo

MACEDO, Mônica Cunha; ANGELIERI, Fernanda; BOMMARITO, Silvana  e  SANNOMIYA, Eduardo Kazuo. Análise da densidade óptica da sutura palatina mediana seis meses após a expansão rápida da maxila assistida cirurgicamente. Rev. Dent. Press Ortodon. Ortop. Facial [online]. 2009, vol.14, n.5, pp.101-108. ISSN 1980-5500.  http://dx.doi.org/10.1590/S1415-54192009000500014.

OBJETIVO: avaliar a neoformação óssea da sutura palatina mediana por meio da análise de densidade óptica após a expansão rápida da maxila assistida cirurgicamente (ERMAC). MÉTODOS: a amostra estudada consistiu de 16 pacientes, sendo 6 do gênero masculino e 10 do gênero feminino. Todos os pacientes apresentavam atresia maxilar com mordida cruzada posterior e foram submetidos à ERMAC. Foram realizadas radiografias oclusais parciais da região dos incisivos superiores em quatro fases: antes da ERMAC (fase I), após o fim da ativação do parafuso expansor (fase II), três meses após a ativação do parafuso expansor (fase III), e seis meses após a ERMAC (fase IV). Uma escala de alumínio com oito degraus, variando de 1 a 8mm, foi adaptada no extremo das radiografias. A análise da densidade óptica foi feita após a digitalização das radiografias, utilizando-se o software Image Tool® (UTHSCSA, San Antonio, Texas, EUA). Em cada uma dessas fases, duas áreas foram selecionadas e analisadas. A região "A" (anterior) mediu 8 x 1mm2 e localizou-se a 1,2cm da tangente situada nos incisivos centrais superiores na região da sutura palatina mediana. A região "B" (posterior) mediu 5 x 9mm2 e localizou-se a 4,3cm da tangente situada nos incisivos centrais superiores na região da sutura palatina mediana. RESULTADOS: na região "A", comparando-se a fase I com a fase II, e a fase I com a fase III, foram encontradas diferenças estatisticamente significativas - p < 0,0001 e p < 0,0001, respectivamente -; comparando-se a fase I com a IV, e a fase II com a III, foram encontradas diferenças estatisticamente significativas - p = 0,0169 e p = 0,0004, respectivamente -; comparando-se as fases II e IV, e a fase III com a IV, diferenças estatisticamente significativas também foram encontradas - p < 0,0001 e p = 0,0023, respectivamente. Na região "B", comparando-se as fases I e II, e a fase I com a III, diferenças estatisticamente significativas foram encontradas - p < 0,0001 e p < 0,0001, respectivamente -; comparando-se a fase I com a fase IV, nenhuma diferença estatisticamente significativa foi observada (p = 0,1152); comparando-se a fase II com a fase III, a fase II com a IV, e a fase III com a IV, diferenças estatisticamente significativas foram encontradas - p = 0,0002, p < 0,0001 e p = 0,0010, respectivamente. CONCLUSÕES: a análise da densidade óptica permite ao cirurgião bucomaxilofacial e ao ortodontista um controle melhor do tratamento após a ERMAC. Seis meses após a ERMAC, a neoformação óssea da sutura palatina mediana não está completa na região "A" (p < 0,05), mas na região "B" nenhuma diferença estatisticamente significativa foi observada (p > 0,05) entre as fases I e IV.

Palavras-chave : Radiografia; Densidade óptica; Neoformação óssea; Expansão rápida da maxila.

        · resumo em Inglês     · texto em Português     · Português ( pdf epdf )

 

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons