SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.17 issue3Why do tuberculosis patients look for urgency and emergency unities for diagnosis: a study on social representationInequities in intraurban areas in the distribution of risk factors for non communicable diseases, Belo Horizonte, 2010 author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Revista Brasileira de Epidemiologia

Print version ISSN 1415-790X

Abstract

BRAZ, Rui Moreira; GUIMARAES, Renato Fontes; CARVALHO JUNIOR, Osmar Abílio de  and  TAUIL, Pedro Luiz. Dependência espacial das epidemias de malária em municípios da Amazônia Brasileira. Rev. bras. epidemiol. [online]. 2014, vol.17, n.3, pp.615-628. ISSN 1415-790X.  http://dx.doi.org/10.1590/1809-4503201400030004.

Introdução:

Em 2010, foram observados 305 (37,8%) municípios com epidemias de malária na Amazônia brasileira. A propagação dos eventos epidêmicos pode ser explicada pelo padrão da distribuição espacial. Objetivo: Analisar a dependência espacial, autocorrelação, das epidemias de malária nos municípios dessa região.

Métodos:

Foi utilizado algoritmo automatizado para detecção dos municípios epidêmicos nos anos de 2003, 2007 e 2010. A dependência espacial foi analisada por meio da variável proporção de meses epidêmicos, aplicando-se os índices de Moran global e local. Foram identificados os agrupamentos de municípios epidêmicos com o programa TerraView.

Resultados:

Os valores do índice global de Moran foram 0,4 em 2003; 0,6 em 2007; e 0,5 em 2010 (p = 0,01), confirmando a existência de dependência espacial entre os municípios epidêmicos. O Box Map e o Moran Map identificaram agrupamentos intermunicipais, interestaduais e fronteiriços com autocorrelação espacial estaticamente significante, sendo 10 clusters em 2003; 9 em 2007; e 8 em 2010 (p < 0,05).

Discussão:

Agrupamentos de municípios epidêmicos podem estar vinculados às dificuldades dos serviços de saúde em atuar articuladamente. Limitações estruturais podem ser superadas buscando a integração territorial para sustentação do planejamento e ações de controle, potencializando as intervenções no contexto espacial abrangente.

Conclusão:

A análise rotineira da autocorrelação espacial entre municípios epidêmicos, identificando os agrupamentos com persistência espaço-temporal, poderá fornecer novo indicador de grande utilidade para o planejamento e priorização do controle integrado, no âmbito intermunicipal, interestadual e nas áreas de fronteiras, contribuindo para a redução das epidemias de malária.

Keywords : Malária; Epidemias; Análise espacial; Epidemiologia; Planejamento; Ecossistema Amazônico.

        · abstract in English     · text in English | Portuguese     · English ( pdf ) | Portuguese ( pdf )