SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.17 suppl.2Social factors associated with mental disorders with risk situations in the primary health careThe Porto Alegre paradox: social determinants and tuberculosis incidence author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Revista Brasileira de Epidemiologia

Print version ISSN 1415-790X

Abstract

FAERSTEIN, Eduardo et al. Raça e racismo percebido, escolaridade e hipertensão em funcionários públicos brasileiros: estudo Pró-Saúde. Rev. bras. epidemiol. [online]. 2014, vol.17, suppl.2, pp.81-87. ISSN 1415-790X.  http://dx.doi.org/10.1590/1809-4503201400060007.

INTRODUÇÃO:

O Brasil tem a maior população afrodescendente fora da África.

OBJETIVO:

Em razão das sequelas da escravidão sobre sua posição social contemporânea, foi investigada a relação entre racismo percebido e hipertensão.

MÉTODOS:

Analisamos dados (1999 - 2001) de 3056 funcionários públicos (idade média: 42 anos; mulheres: 56%) de campi universitários fluminenses, participantes do Estudo Pró-Saúde.

RESULTADOS:

Casos de hipertensão prevalente tinham pressão arterial aferida igual ou superior a 140/90 mmHg ou uso de medicação antihipertensiva. Via questionários autopreenchíveis, aferiu-se história percebida de discriminação ao longo da vida (devido a raça, gênero, posição socioeconômica, outros atributos) nos domínios trabalho, moradia, escola, locais públicos e com a polícia. Participantes utilizaram 41 termos como respostas a pergunta aberta sobre autoidentificação racial; para estas análises, 48% foram classificados como afrodescendentes. Discriminação racial em ao menos um domínio foi relatado por 14% dos afrodescendentes. Em comparação com participantes brancos, as prevalências (ajustadas para idade e sexo) de hipertensão foram mais elevadas entre afrodescendentes com história percebida de racismo (RP = 2,1; IC95% 1,5 - 3,0) do que entre aqueles sem essa história (RP = 1,5; IC95% 1,2 - 1,8). Comparando-se afrodescendentes com história percebida de racismo com brancos, a associação com hipertensão foi mais forte entre participantes com instrução fundamental (RP = 3,0; IC95% 1,3 - 6,7) do que entre aqueles com nível universitário (RP = 1,7; IC95% 1,0 - 3,1).

CONCLUSÃO:

É possível que o racismo aumente o risco de hipertensão entre afrodescendentes no Brasil; a adversidade socioeconômica - também influenciada pelo racismo - pode potencializar esse aumento de risco.

Keywords : Determinantes sociais da saúde; Racismo; Hipertensão; Saúde do adulto; Saúde da população negra; Métodos epidemiológicos.

        · abstract in English     · text in English     · English ( pdf )