SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.17 suppl.2Parent's social status and children's nutrition influence on the university entrance of young adults in the last two decades in BrazilEquity of access to Pap smears: population-based study in Campinas, São Paulo, Brazil author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Revista Brasileira de Epidemiologia

Print version ISSN 1415-790X

Abstract

BOSI, Maria Lucia Magalhães et al. Determinantes sociais em saúde (mental): analisando uma experiência não governamental sob a ótica de atores implicados. Rev. bras. epidemiol. [online]. 2014, vol.17, suppl.2, pp.126-135. ISSN 1415-790X.  http://dx.doi.org/10.1590/1809-4503201400060011.

INTRODUÇÃO:

A Reforma Psiquiátrica brasileira, um processo ainda em curso, bem como seus desdobramentos, envolvem a construção de novos modos de estar diante do sujeito em adoecimento, estabelecendo, no campo da saúde mental, uma nova forma de compreender os seus determinantes sociais que se refletem na desinstitucionalização e na inclusão social.

OBJETIVO:

Este estudo multidimensional, no âmbito da desinstitucionalização em saúde mental, objetiva explorar e analisar como nas experiências de um movimento comunitário no Nordeste do Brasil, na perspectiva dos profissionais, evidenciam-se determinantes sociais do processo com o qual interagem.

MÉTODO:

O estudo se fundamenta no enfoque qualitativo, adotando como desenho o estudo de caso e como técnicas entrevistas e grupos focais. Na categorização das informações, partiu-se da relação entre as dimensões constituintes da Reforma Psiquiátrica - epistemológica, assistencial, jurídico-política e sociocultural; e distintos determinantes sociais em saúde - condições de vida, ambiente e trabalho, redes comunitárias e apoio, condições econômicas, culturais e ambientais, comportamentos e estilos de vida.

RESULTADOS:

Os achados revelam ênfase no sujeito social; inserção de novos modos de produzir saúde; diálogos com múltiplos atores; construção da autonomia; gestão participativa; formação e profissionalização; reorganização do processo de trabalho; valorização das atividades tecidas no cotidiano, dentre outros elementos em estreita interface com os determinantes de saúde.

CONCLUSÃO:

As práticas de cuidado do Movimento implicam desconstrução do modelo tradicional de atenção à saúde mental, potencializando novas formas de cidadania, contribuindo para desinstitucionalização e favorecendo equidade de renda, coesão social e participação política para a promoção e proteção da saúde.

Keywords : Determinantes sociais da saúde; Saúde; Desinstitucionalização; Cuidado; Profissionais de saúde; Pesquisa qualitativa.

        · abstract in English     · text in English | Portuguese     · English ( pdf ) | Portuguese ( pdf )