SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.19 número1A ingestão de pescado e as concentrações de mercúrio em famílias de pescadores de Imperatriz (MA) índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista Brasileira de Epidemiologia

versão impressa ISSN 1415-790Xversão On-line ISSN 1980-5497

Resumo

BORGES, Zaida da Silva; WEHRMEISTER, Fernando César; GOMES, Ana Paula  e  GONCALVES, Helen. Exame clínico das mamas e mamografia: desigualdades nas regiões Sul e Nordeste do Brasil. Rev. bras. epidemiol. [online]. 2016, vol.19, n.1, pp.1-13. ISSN 1415-790X.  https://doi.org/10.1590/1980-5497201600010001.

Objetivo:

Avaliar a prevalência e os fatores associados à realização do exame clínico das mamas (ECM) e da mamografia (MMG) nas regiões Sul e Nordeste do Brasil, focando em algumas desigualdades sociais.

Métodos:

Estudo transversal, utilizando dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios, de 2008. Foram avaliadas as prevalências de realização de ECM durante o último ano e de MMG nos últimos dois anos e analisadas conforme variáveis demográficas (idade, cor da pele e estado civil) e socioeconômicas (renda e escolaridade). As razões de prevalência brutas e ajustadas foram obtidas através de regressão de Poisson. As análises foram estratificadas por região.

Resultados:

Foram avaliadas 27.718 mulheres, entre 40 e 69 anos. Menos da metade das mulheres seguiu a recomendação de realização anual de ECM em ambas as regiões. A prevalência de realização de MMG nos últimos 2 anos foi de 58,6 e 45,5% para a região Sul e a Nordeste, respectivamente. Mais de um quarto das mulheres avaliadas de ambas as regiões nunca realizaram MMG (26,5% no Sul e 40,6% no Nordeste). Nunca ter realizado ambos os exames foi quase duas vezes mais prevalente na região Nordeste (29,7%) do que na região Sul (15,9%). O risco para a não realização de ambos os exames foi maior em mulheres com idades entre 60 e 69 anos, não brancas, com menor escolaridade e com menor renda familiar.

Conclusão:

Importantes desigualdades foram observadas entre as regiões Sul e Nordeste para o ECM e a MMG. Políticas públicas de saúde devem priorizar grupos mais vulneráveis para reduzi-las.

Palavras-chave : Desigualdades em saúde; Mamografia; Neoplasias da mama; Saúde da mulher; Neoplasias; Programas de rastreamento..

        · resumo em Inglês     · texto em Português | Inglês     · Português ( pdf ) | Inglês ( pdf )