SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.19 issue1Fetal programming and metabolic abnormalities: design of a case-control studyAssociation between prenatal and parturition in the supplementary health network and elective cesarean section author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Revista Brasileira de Epidemiologia

Print version ISSN 1415-790XOn-line version ISSN 1980-5497

Abstract

LAFETA, Kátia Regina Gandra; MARTELLI JUNIOR, Hercílio; SILVEIRA, Marise Fagundes  and  PARANAIBA, Lívia Máris Ribeiro. Sífilis materna e congênita, subnotificação e difícil controle. Rev. bras. epidemiol. [online]. 2016, vol.19, n.1, pp.63-74. ISSN 1415-790X.  http://dx.doi.org/10.1590/1980-5497201600010006.

Objetivo:

Identificar e descrever casos de sífilis congênita e materna notificados e não notificados em uma cidade brasileira de médio porte.

Métodos:

Trata-se de estudo descritivo e retrospectivo que avaliou 214 prontuários de gestantes e recém-nascidos (RNs). Iniciou-se com identificação das fichas de notificação epidemiológica, seguida de busca ativa nas maternidades, avaliando-se todos os prontuários que apresentavam sorologia não treponêmica positiva e prontuários do serviço de referência em infectologia, na cidade de Montes Claros, Minas Gerais, no período de 2007 a 2013. As definições de casos seguiram as recomendações do Ministério da Saúde (MS) no Brasil e as variáveis foram descritas utilizando-se frequências absoluta e relativa. Estudo aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa (Universidade Estadual de Montes Claros).

Resultados:

De 214 prontuários avaliados, foram identificados 93 casos de sífilis materna e 54 casos de sífilis congênita. As gestantes analisadas foram, predominantemente, de cor parda, apresentando ensino médio/superior, com faixa etária entre 21 e 30 anos e estado civil solteira. Considerando acompanhamento pré-natal das gestantes com sífilis, observou-se predomínio do diagnóstico tardio, após o parto ou a curetagem; a totalidade dos respectivos tratamentos foi considerada inadequada, segundo o MS. Dos RNs de gestantes com sífilis, a maioria não foi referenciada para acompanhamento pediátrico. Apenas 6,5% dos casos de sífilis em gestantes foram notificados; em relação à forma congênita, esse valor foi de 24,1%.

Conclusão:

Persistindo a transmissão vertical, verificam-se sinais de que a qualidade da atenção pré-natal e neonatal deve ser reestruturada.

Keywords : Gravidez; Sífilis; Sífilis congênita; Cuidado pré-natal; Saúde pública; Treponema pallidum..

        · abstract in English     · text in English | Portuguese     · English ( pdf ) | Portuguese ( pdf )