SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.19 issue1Estimating weight in elderly residents in nursing homes: which equation to use?Genotypes distribution of human papillomavirus in cervical samples of Ecuadorian women author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Revista Brasileira de Epidemiologia

Print version ISSN 1415-790XOn-line version ISSN 1980-5497

Abstract

TEIXEIRA, Marina Galvão; MILL, José Geraldo; PEREIRA, Alexandre Costa  and  MOLINA, Maria del Carmen Bisi. Consumo de antioxidantes em participantes do ELSA-Brasil: resultados da linha de base. Rev. bras. epidemiol. [online]. 2016, vol.19, n.1, pp.149-159. ISSN 1415-790X.  http://dx.doi.org/10.1590/1980-5497201600010013.

Objetivo:

Avaliar o consumo habitual de antioxidantes (vitaminas A, E e C, selênio e zinco) e identificar fatores associados ao baixo consumo em adultos.

Métodos:

Estudo transversal com 14.660 participantes (35 a 74 anos) da linha de base do Estudo Longitudinal de Saúde do Adulto (ELSA-Brasil). O consumo de antioxidantes e energia total foi determinado por Questionário de Frequência Alimentar e analisado com auxílio do software NDSR. O consumo dos antioxidantes foi ajustado pela energia total e dividido em quintis. Variáveis socioeconômicas foram analisadas e incluídas no modelo de regressão logística para identificar fatores associados ao baixo consumo.

Resultados:

O consumo energético (kcal/dia) foi maior em homens (3.152 ± 1.026 versus 2.613 ± 905; p < 0,001) enquanto que o consumo de todos os antioxidantes (principalmente as vitaminas A e C e o selênio) foi maior em mulheres. O baixo consumo de antioxidantes se associou significativamente ao sexo masculino (OR = 3,5; IC95% 3,11 - 4,0), à menor escolaridade (OR = 3,1; IC95% 2,42 - 3,87), à menor renda (OR = 4,4; IC95% 3,67 - 5,36), à menor faixa etária (OR = 5,5; IC95% 4,27 - 7,16), ao estado de magreza (OR = 2,7; IC95% 1,36 - 5,18), ao relato do não uso de suplemento (OR = 1,95; IC95% 1,6 - 2,38) como polivitamínicos e minerais e a não alteração de hábitos alimentares nos últimos seis meses (OR = 2,0; IC95% 1,75 - 2,29).

Conclusão:

O maior consumo de frutas e legumes está envolvido no maior consumo de antioxidantes em mulheres. As políticas para aumento do consumo desses nutrientes precisam ser dirigidas para os segmentos de menores renda, escolaridade e faixa etária.

Keywords : Antioxidantes; Nutrientes; Consumo alimentar; Fatores socioeconômicos; Estudos longitudinais; Modelos logísticos..

        · abstract in English     · text in English | Portuguese     · English ( pdf ) | Portuguese ( pdf )