SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.21 suppl.210 Years of SABE Study: background, methodology and organization of the studyRacial inequities and aging: analysis of the 2010 cohort of the Health, Welfare and Aging Study (SABE) author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Revista Brasileira de Epidemiologia

Print version ISSN 1415-790XOn-line version ISSN 1980-5497

Abstract

BRITO, Tábatta Renata Pereira de; NUNES, Daniella Pires; DUARTE, Yeda Aparecida de Oliveira  and  LEBRAO, Maria Lúcia. Redes sociais e funcionalidade em pessoas idosas: evidências do estudo Saúde, Bem-Estar e Envelhecimento (SABE). Rev. bras. epidemiol. [online]. 2018, vol.21, suppl.2, e180003.  Epub Feb 04, 2019. ISSN 1415-790X.  http://dx.doi.org/10.1590/1980-549720180003.supl.2.

Introdução:

Possuir redes sociais ativas parece influenciar positivamente o desempenho funcional de idosos.

Objetivo:

Verificar a associação entre as características das redes sociais de idosos e o surgimento de comprometimento funcional.

Métodos:

Estudo longitudinal de base populacional que utilizou as coortesde2006 (n = 1.413) e 2010 (n = 990) do Estudo Saúde, Bem-Estar e Envelhecimento (SABE). Para caracterização das redes sociais utilizou-se as seguintes variáveis: número de integrantes da rede; arranjo domiciliar; sexo e idade dos integrantes; co-residência com criança ou apenas com idosos; satisfação com a relação; recebimento e oferecimento de apoio social (financeiro, material, emocional, realização de tarefas dentro e fora de casa, companhia e cuidados pessoais). Utilizou-se regressão logística para a análise dos dados. Todos os cuidados éticos foram observados.

Resultados:

As redes sociais dos idosos possuem, em média, 8,15 integrantes e são constituídas predominantemente por familiares com idade entre 15 e 59 anos. Idosos dependentes recebem mais apoio material, para realização de tarefas domésticas, fora de casa e cuidados pessoais, enquanto os idosos independentes recebem mais apoio emocional e companhia. Oferecer apoio social (OR = 0,32; IC95% 0,14-0,71) diminuiu as chances de desenvolver dependência, independente de condições sociodemográficas e de saúde.

Conclusão:

Deve-se estimular o fortalecimento das redes sociais na velhice, uma vez que a confiança no cuidado informal, oferecido, principalmente pelas famílias, pode não ser a melhor opção para lidar com a demanda de cuidado crescente que acompanha o envelhecimento da população brasileira.

Keywords : Envelhecimento; Idoso; Idoso de 80 anos ou mais; Apoio social; Atividades Cotidianas; Idoso Fragilizado.

        · abstract in English     · text in English | Portuguese     · English ( pdf ) | Portuguese ( pdf )