SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.21 suppl.2Prevalence and associated factors of sarcopenia, dynapenia, and sarcodynapenia in community-dwelling elderly in São Paulo - SABE StudyEarly life conditions and current health status as per the study “Health, Well-being and Aging” (SABE) author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Revista Brasileira de Epidemiologia

Print version ISSN 1415-790XOn-line version ISSN 1980-5497

Abstract

ANTUNES, José Leopoldo Ferreira; CHIAVEGATTO FILHO, Alexandre Dias Porto; DUARTE, Yeda Aparecida Oliveira  and  LEBRAO, Maria Lúcia. Desigualdades sociais na autoavaliação de saúde dos idosos da cidade de São Paulo. Rev. bras. epidemiol. [online]. 2018, vol.21, suppl.2, e180010.  Epub Feb 04, 2019. ISSN 1415-790X.  http://dx.doi.org/10.1590/1980-549720180010.supl.2.

Objetivo:

Descrever a prevalência da autoavaliação de saúde ruim e muito ruim em idosos não asilados vivendo na cidade de São Paulo em 2010 e identificar se persistem as desigualdades sociais anteriormente relatadas para esta condição.

Métodos:

Foi realizado um estudo transversal, com amostra representativa de 1.344 pessoas com 60 anos ou mais vivendo na cidade, participantes do Estudo SABE (Saúde, Bem-Estar e Envelhecimento). Foi aplicado questionário sobre características sociodemográficas, incluindo três questões de autoavaliação de saúde: uma pergunta direta sobre a condição atual, uma comparação com a condição das demais pessoas da mesma idade, e uma comparação consigo mesmo há um ano. A análise comparativa utilizou modelos de regressão de Poisson, relatando a razão de prevalências como medida de associação entre variáveis.

Resultados:

Apenas 7,8% dos idosos relataram autoavaliação negativa de saúde em 2010, proporção análoga à dos que se consideraram em pior condição de saúde que as demais pessoas de mesma idade (8,7%). No entanto, foi mais elevada a prevalência de idosos que relataram piora em relação ao ano anterior: 29,2%. Independentemente da questão utilizada, a prevalência de autoavaliação negativa de saúde associou-se diretamente com piores indicadores de renda, escolaridade e classes de consumo. Também foram observadas diferenças significativas entre os sexos, grupos etários e categorias de cor da pele.

Conclusão:

Diferenças na prevalência de autoavaliação negativa de saúde persistem afetando os grupos sociodemográficos. O conhecimento já disponível sobre desigualdades sociais de saúde não propiciou suprimir ou atenuar a injustiça social neste desfecho.

Keywords : Autoavaliação; Idoso; Fatores socioeconômicos; Renda; Escolaridade; Dados demográficos.

        · abstract in English     · text in English | Portuguese     · English ( pdf ) | Portuguese ( pdf )