SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.15 número4  suppl.1Persistência de plantas medicinais em sistemas agroflorestais no município de São Bento do Sul, SC, BrasilAromaterapia: da gênese a atualidade índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista Brasileira de Plantas Medicinais

versão impressa ISSN 1516-0572

Resumo

CRUCES, I.L; PATELLI, T.H.C; TASHIMA, C.M.  e  MELLO-PEIXOTO, E.C.T. Plantas medicinais no controle de urolitíase. Rev. bras. plantas med. [online]. 2013, vol.15, n.4, suppl.1, pp.780-788. ISSN 1516-0572.  https://doi.org/10.1590/S1516-05722013000500020.

Plantas medicinais têm sido utilizadas mundialmente para o controle de urolitíases na medicina humana. A ocorrência desta afecção tem aumentado em humanos, ruminantes, cães e gatos. Nos animais, fatores patofisiológicos adquiridos, congênitos ou familiares podem estar envolvidos, havendo similaridade ao que se observa em seres humanos. Porém, apesar dos avanços nas pesquisas, o emprego de plantas medicinais na medicina veterinária, ainda é pouco utilizado. Dessa forma, objetivou-se apresentar uma revisão bibliográfica dos resultados do uso de plantas medicinais no controle de urolitíase. As plantas utilizadas são: Ammi visnaga, Bergenia ligulata, Cynodon dactylon, Herniaria hirsuta e Phyllanthus niruri. A atividade antilitogênica foi relacionada às alterações da composição iônica da urina, atividade diurética, inibição de cristalização e agregação de cristais. Destaca-se o uso de Phyllanthus niruri, pela eficácia na prevenção dos urólitos. Extratos de Phyllanthus niruri normalizaram níveis altos de cálcio urinário, desfavorecendo os estágios iniciais de formação dos urólitos. Adicionalmente, foram associados à elevação da filtração glomerular e excreção urinária de ácido úrico sugerindo utilização potencial não só como efeito lítico e preventivo das calculoses, mas também em pacientes hiperuricêmicos e portadores de insuficiência renal. A partir dos resultados relatados, pode-se concluir que os trabalhos apresentados pela literatura atual são capazes de comprovar os efeitos benéficos do uso de plantas medicinais no controle de urolitíase. Entretanto, ainda são escassos os estudos realizados em animais domésticos, predominando ensaios desenvolvidos em roedores.

Palavras-chave : ervas medicinais; Phyllanthus niruri; urina; urólitos.

        · resumo em Inglês     · texto em Português     · Português ( pdf )

 

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons