SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.17 número4  suppl.2Determinação dos parâmetros anatômicos, físico-químico e fitoquímicos das folhas de Solanum lycocarpum A. St.- HillCinética de secagem e difusividade efetiva em folhas de jenipapo (Genipa americana L.) índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista Brasileira de Plantas Medicinais

versão impressa ISSN 1516-0572versão On-line ISSN 1983-084X

Resumo

QUEIROZ, F.F. et al. Thuya occidentalis CH12 como tratamento alternativo da papilomatose canina. Rev. bras. plantas med. [online]. 2015, vol.17, n.4, suppl.2, pp.945-952. ISSN 1516-0572.  http://dx.doi.org/10.1590/1983-084X/14_111.

A papilomatose é uma doença de natureza crônica e pode causar tumores epiteliais e na mucosa. Não possui predileção por sexo, raça ou idade, mas comumente aparece em animais jovens. As lesões papilares ocorrem principalmente na mucosa bucal, nos lábios, língua e da faringe, além destes, também são encontradas na forma ocular e cutânea. Este estudo teve como objetivo relatar a eficácia da Thuya occidentalis CH12, uma medicação homeopática de uso comum, no tratamento de cães com papilomatose. Os resultados positivos puderam ser vistos, em alguns casos, já na primeira semana do tratamento, em outros, após vinte dias, e o desaparecimento total das lesões, na maioria dos casos, ocorreu com quinze dias. Alicerçada no princípio da similitude, a homeopatia apóia-se na observação experimental de que toda substância capaz de provocar determinados sintomas em uma pessoa sadia, é capaz de curar estes mesmos sintomas em uma pessoa enferma. A Thuya occidentalis provou ser eficiente contra lesões de papilomavírus canina, e apresentou resultados rápidos e com um valor econômico acessível.

Palavras-chave : Cão; Papiloma; Thuya occidentalis.

        · resumo em Inglês     · texto em Português     · Português ( pdf )