SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.17 número4  suppl.3Plantas medicinais conhecidas por especialistas locais de uma comunidade rural maranhenseÓleo de melaleuca (Melaleuca alternifolia Maiden & Betche, Cheel) no controle de cercosporiose em beterraba índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista Brasileira de Plantas Medicinais

versão impressa ISSN 1516-0572versão On-line ISSN 1983-084X

Resumo

LIMA NETO, G.A. et al. Quantificação de metabólitos secundários e avaliação da atividade antimicrobiana e antioxidante de algumas plantas selecionadas do Cerrado de Mato Grosso. Rev. bras. plantas med. [online]. 2015, vol.17, n.4, suppl.3, pp.1069-1077. ISSN 1516-0572.  http://dx.doi.org/10.1590/1983-084x/14_161.

Extratos etanólicos de Luehea paniculata, Anadenanthera colubrina, Cariniana rubra, Hancornia speciosa, Qualea grandiflora, Kielmeyera coriaceae e Palicourea rigida, coletadas no Cerrado de Mato Grosso foram submetidos à análise fitoquímica preliminar para identificação das principais classes de metabolitos secundários e à quantificação do teor de compostos fenólicos totais, flavonoides e cumarinas. O estudo também descreve a atividade antimicrobiana, antioxidante e a toxicidade preliminar frente a larvas de Artemia salina. Os extratos de C. rubra e Q. grandiflora foram os mais ativos contra as cepas fúngicas de C. neoformans (CIM 3,91 µg/mL), C. krusei(CIM 15,63 µg/mL), C. parapsilosis (CIM 31,25 µg/mL) e C. albicans (CIM 62,5 µg/mL), ambos com os mesmos resultados para estes microrganismos. Em relação às cepas bacterianas a mais sensível foi S. aureus com CIM de 250 µg/mL para todos os extratos testados. Luhea paniculata e Q. grandiflora foram as espécies vegetais mais ativas contra E. coli (CIM 500 e 250 µg/mL, respectivamente) e E. faecalis (CIM 250 e 500 µg/mL, respectivamente). No teste do DPPH, merece destaque as espécies K. coriaceae (Ca) (IC50 = 0,72 ± 0,51 μg/mL), K. coriaceae (Fo) (IC50 = 1,34 ± 0,53 μg/mL), H. speciosa (Fo)(IC50 = 1,03 ± 0,52 μg/mL), Q. grandiflora (Fo) (IC50 = 1,31 ± 0,19 μg/mL) e P. rigida (Fo) (IC50 = 1,39 ± 0,53 μg/mL). Com exceção de L. paniculata(Fo), que apresentou IC50 de 14,40 ± 0,34 μg/mL e teor de flavonoides de 295,5 mg/g, todas as espécies que tiverem significativa atividade no teste do DPPH, também apresentaram teor de flavonoides semelhante ao padrão, ou seja, H. speciosa (Fo) (280,5 mg/g), Q. grandiflora(Fo) (260,5 mg/g), K. coriaceae (Ca) (250,5 mg/g), K. coriaceae (Fo) (235,5 mg/g). Quanto à determinação de fenóis totais e cumarinas os resultados foram inferiores quando comparados aos padrões.

Palavras-chave : Cerrado; antimicrobiana; fenóis totais; flavonoides; DPPH.

        · resumo em Inglês     · texto em Português     · Português ( pdf )