SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.18 número2Estudo da ação da romã (Punica granatum L.) na cicatrização de úlceras induzidas por queimadura em dorso de língua de ratos Wistar (Rattus norvegicus)Plantas medicinais conhecidas na zona urbana de Cajueiro da Praia, Piauí, Nordeste do Brasil índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista Brasileira de Plantas Medicinais

versão impressa ISSN 1516-0572versão On-line ISSN 1983-084X

Resumo

BATISTA, E.K.F et al. Atividades antinociceptiva e antiinflamatória do extrato etanólico de Luehea divaricata. Rev. bras. plantas med. [online]. 2016, vol.18, n.2, pp.433-441. ISSN 1516-0572.  http://dx.doi.org/10.1590/1983-084X/15_140.

Considerando os diferentes usos etnofarmacológicos apresentados pela planta Luehea divaricata, realizou-se este estudo com o objetivo de avaliar as atividades antinociceptiva e antinflamatória do extrato etanólico de suas folhas, em modelo animal, nas dosagens de 20, 40, 80 e 160 mg/Kg, por via oral. Foram realizados os seguintes testes: contorções abdominais induzidas pelo acido acético, placa quente, formalina e edema de pata induzido por carragenina. Foram utilizados camundongos Swiss (20-25 g) para os três primeiros testes e ratos Wistar (180-250 g), para o último, divididos em seis grupos de oito animais, totalizando 48 animais em cada parâmetro de avaliação. Os resultados foram analisados estatisticamente pela análise de variância a 5% de probabilidade, para verificar quais os tratamentos que diferiram entre si, e estes foram submetidos aos testes de Kruskall-Wallis e Student-Newman-Keuls. O extrato etanólico das folhas de L. divaricata (EEtOH-Ld), nas diferentes doses estudadas, apresentou significativa atividade antinociceptiva sobre a dor induzida quimicamente por injeções intraperitoneal de acido acético e intraplantar de formalina. Na dosagem de 160 mg/Kg, esse extrato apresentou ação analgésica central, aos 120 minutos de observação, no teste de placa quente e reduziu o edema de pata induzido pela administração de carragenina, uma hora após a administração do agente inflamatório, semelhante ao efeito produzido pelo fármaco padrão.

Palavras-chave : açoita-cavalo; dor; plantas medicinais.

        · resumo em Inglês     · texto em Português     · Português ( pdf )