SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.9 número4Terapia fonológica: a generalização a itens não utilizados no tratamento (outras palavras)Dificuldade de aprendizagem: principais abordagens terapêuticas discutidas em artigos publicados nas principais revistas indexadas no LILACS de fonoaudiologia no período de 2001 a 2005 índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Revista CEFAC

versão On-line ISSN 1982-0216

Resumo

GARCIA, Roberta; ROSSI, Natalia Freitas  e  GIACHETI, Célia Maria. Perfil de habilidades de comunicação de dois irmãos com a Síndrome Alcoólica Fetal. Rev. CEFAC [online]. 2007, vol.9, n.4, pp. 461-468. ISSN 1982-0216.  http://dx.doi.org/10.1590/S1516-18462007000400005.

OBJETIVO: caracterizar o perfil de habilidades de comunicação e o desempenho nos subtestes do Teste Illinois de Habilidades Psicolingüísticas (ITPA) de dois irmãos com diagnóstico da Síndrome Alcoólica Fetal (SAF): S1, sexo feminino, 16 anos e S2, sexo masculino, 8 anos, alunos de escola especial. MÉTODOS: realizou-se a avaliação fonoaudiológica clínica, complementada pela aplicação do ITPA. RESULTADOS: dados de avaliação clínica com S1 mostraram prejuízo grave de compreensão oral, não sendo capaz de seguir instruções (verbal e gestual) simples. Também não se observou uso de recursos gestuais ou orais, por parte da mesma para se comunicar. Devido ao nível de comprometimento, não foi possível obter dados relativos aos desempenhos amostrados no ITPA. Dados de avaliação clínica com S2 mostraram resultados bastante diferentes. S2 utiliza preferencialmente a fala para se comunicar, responde perguntas, mantendo o tema e é capaz de seguir instruções verbais simples. Entretanto, observou-se desempenho inferior ao esperado para idade em situações que requeriam narrativa de fatos e eventos, indicando prejuízos em aspectos sintáticos e semânticos da linguagem. No ITPA obteve pontuação inferior a idade cronológica em quase todos os subtestes. O pior desempenho foi observado nos subtestes que envolviam habilidades perceptivas auditivas. CONCLUSÕES: esses resultados indicam que, apesar de ambos terem o mesmo diagnóstico genético e viverem sob as mesmas condições familiares, o perfil fonoaudiológico difere. Pode-se especular que prejuízos mais graves em habilidades comunicativas de S1 podem estar relacionados a níveis mais elevados de exposição ao álcool durante etapas críticas do desenvolvimento fetal.

Palavras-chave : Síndrome Alcoólica Fetal; Comunicação; Linguagem; Aprendizagem.

        · resumo em Inglês     · texto em Português     · pdf em Português