SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.14 issue6Oral and written language in institutionalized juvenile offendersWritten language in the teacher's perspective: support for the speech therapist performance in the school author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Revista CEFAC

On-line version ISSN 1982-0216

Abstract

OLIVEIRA, Cristiane Moço Canhetti de; SOUZA, Heloisa Aparecida de; SANTOS, Ana Claudia dos  and  CUNHA, Denise de Souza. Análise dos fatores de risco para gagueira em crianças disfluentes sem recorrência familial. Rev. CEFAC [online]. 2012, vol.14, n.6, pp. 1028-1035.  Epub July 08, 2011. ISSN 1982-0216.  http://dx.doi.org/10.1590/S1516-18462011005000062.

OBJETIVO: analisar os fatores gênero, idade, tipo de surgimento da gagueira, tempo de duração e tipologia das disfluências, fatores estressantes físicos e emocionais, e fatores comunicativos e qualitativos associados em crianças disfluentes sem recorrência familial do distúrbio. MÉTODO: participaram 43 crianças com alto risco para a gagueira de ambos os gêneros. A coleta de dados foi realizada por meio do Protocolo de Risco para a Gagueira do Desenvolvimento - PRGD. RESULTADOS: a razão masculino/feminino foi de 3,3:1. A única diferença estatisticamente significante dos fatores de risco analisados nos gêneros masculino e feminino foi a maior ocorrência de fatores comunicativos associados no gênero masculino (p=0,003). Houve uma semelhança dos achados entre os meninos e as meninas: quanto ao tempo de duração das disfluências a maioria apresentou mais de 12 meses de duração, a tipologia gaga foi a mais freqüente, a presença de fatores estressantes emocionais ocorreu na maior parte das crianças, e finalmente os fatores qualitativos associados, como taxa de elocução aumentada, tensão visível e incoordenação pneumo-fono-articulatória estiveram presentes em grande parte da amostra. CONCLUSÃO: os resultados desta investigação permitiram concluir que nos casos de crianças com alto risco para a gagueira isolada ocorreu a interação de inúmeros fatores, sugerindo que o distúrbio é multifatorial. Também foi possível concluir que a interação de alguns fatores como gênero masculino, tipologia gaga manifestada por mais de 12 meses, com início persistente, na presença de fatores qualitativos e comunicativos associados pode representar risco maior para o desenvolvimento da gagueira persistente.

Keywords : Fonoaudiologia; Fala; Gagueira; Fatores de Risco; Distúrbios da Fala.

        · abstract in English     · text in Portuguese     · pdf in Portuguese