SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.15 número1Correlação entre vocabulário expressivo e extensão média do enunciado em crianças com alteração específica de linguagemAplicação do teste SSW em indivíduos com perda auditiva neurossensorial usuários e não usuários de aparelho de amplificação sonora individual índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista CEFAC

versão On-line ISSN 1982-0216

Resumo

MARANGONI, Andréa Tortosa et al. Avaliação eletrofisiológica da audição em indivíduos após traumatismo cranioencefálico. Rev. CEFAC [online]. 2013, vol.15, n.1, pp.58-68.  Epub 13-Dez-2011. ISSN 1982-0216.  http://dx.doi.org/10.1590/S1516-18462011005000138.

OBJETIVO: caracterizar o potencial evocado auditivo de tronco encefálico e de longa latência em pacientes pós traumatismo cranioencefálico, comparando-os com indivíduos normais. MÉTODO: estudo clínico transversal realizado com 20 indivíduos audiologicamente normais divididos em dois grupos pareados por idade e sexo: a) 10 indivíduos que sofreram traumatismo cranioencefálico (grupo pesquisa); b) 10 indivíduos sem qualquer tipo de alteração neurológica (grupo controle). Foram submetidos à avaliação audiológica básica, ao potencial evocado auditivo de tronco encefálico e ao potencial evocado auditivo de longa latência (P300). RESULTADOS: observou-se no potencial evocado auditivo de tronco encefálico, latências absolutas das ondas I, III e V e intervalo interpico I-III mais prolongados no grupo pesquisa do que no grupo controle, sendo estatisticamente significante para as latências absolutas das ondas I e III à direita e para a onda III e intervalo interpico I-III à esquerda. A amplitude das ondas I, III e V na orelha direita e das ondas III e V na orelha esquerda foram maiores no grupo controle. Em relação ao P300, o grupo pesquisa apresentou maior latência e menor amplitude em ambas as orelhas, sem significância estatística, quando comparado ao grupo controle. CONCLUSÃO: indivíduos que sofreram traumatismo cranioencefálico apresentam alterações no potencial evocado auditivo de tronco encefálico e não apresentam diferenças significantes no potencial evocado auditivo de longa latência (P300) quando comparados a indivíduos sem lesões cerebrais.

Palavras-chave : Potenciais Evocados Auditivos; Audição; Traumatismos Encefálicos.

        · resumo em Inglês     · texto em Português     · Português ( pdf epdf )

 

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons