SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.121 issue1Is automated platelet counting still a problem in thrombocytopenic blood?beta-thalassemia intermedia in a Brazilian patient with - 101(C > T) and codon 39 (C > T) mutations author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Sao Paulo Medical Journal

Print version ISSN 1516-3180

Abstract

SILVA, Allisson Monteiro da; OLIVEIRA FILHO, Renato Santos de; FERREIRA, Lydia Masako  and  SACONATO, Humberto. Relevance of micrometastases detected by reverse transcriptase-polymerase chain reaction for melanoma recurrence: systematic review and meta-analysis. Sao Paulo Med. J. [online]. 2003, vol.121, n.1, pp. 24-27. ISSN 1516-3180.  http://dx.doi.org/10.1590/S1516-31802003000100006.

CONTEXTO: O melanoma cutâneo apresenta importante morbidade e mortalidade. A incidência de melanoma cutâneo vem aumentando em todo o mundo nos últimos 50 anos. Atualmente, cerca de 90% dos casos são diagnosticados pelo exame clínico e, na maioria das vezes, ainda na forma de melanoma localizado. A biópsia de linfonodo sentinela trouxe uma nova e interessante abordagem para o melanoma cutâneo localizado. OBJETIVO: Definir o real valor de micrometástases diagnosticadas em linfonodo sentinela através da técnica de transcriptase reversa associada à reação de polimerização em cadeia (reverse transcriptase-polymerase chain reaction, PCR) na recorrência do melanoma cutâneo. MÉTODOS: Realizamos uma revisão sistemática da literatura com metanálise. Cochrane Library, Medline, Embase e Lilacs foram os bancos de dados pesquisados. Foram usadas as seguintes palavras-chave: sentinel node and melanoma, sentinel node and reverse transcriptase-polymerase chain reaction, melanoma and reverse transcriptase-polymerase chain reaction. Fez-se seleção de estudos prognósticos coorte, abrangendo pacientes portadores de melanoma cutâneo submetidos a biópsia de linfonodo sentinela. O exame do linfonodo sentinela incluiu análise histopatológica por hematoxilina e eosina, imunohistoquímica e reação de polimerase em cadeia. Foi realizada metanálise através do software RevMan (Review Manager 4.1-c; Cochrane Collaboration) com avaliação de odds ratio e risco relativo, utilizando modelo de efeito fixo e randômico. RESULTADOS: Entre 1.542 estudos identificados, quatro foram elegíveis para a revisão sistemática. Os quatro estudos combinados foram estatisticamente homogêneos (c2 = 2,66, p = 0,44 para odds ratio e c2 = 3,17, p = 0,37 para risco relativo). A casuística totalizou 450 pacientes. Esses pacientes foram distribuídos em três grupos: 163 com linfonodo sentinela negativo para hematoxilina-eosina e imunohistoquímica, sendo a reação de polimerase em cadeia positiva; 192 com linfonodo sentinela negativo para hematoxilina-eosina, imunohistoquímica e a reação de polimerase em cadeia e 95 com linfonodo sentinela positivo para hematoxilina-eosina e ou imunohistoquímica. Apenas os dois primeiros grupos foram objetos de nossa análise. A metanálise utilizando modelo de efeito randômico mostrou aumento de recorrência para o grupo com a reação de polimerase em cadeia positiva (odds ratio = 3,0 [1.16, 7.78] e risco relativo = 2.55 [1.06, 6.12]). Resultado similar foi encontrado na metanálise utilizando modelo de efeito fixo (odds ratio = 3,64 [1.51, 8.76] e risco relativo = 3.16 [1.39, 7.19]). CONCLUSÃO: Pacientes com reação de polimerase em cadeia positiva tiveram uma taxa de recorrência maior que aqueles com reação de polimerase em cadeia negativa. Esse resultado sugere um importante papel da reação de polimerase em cadeia no exame do linfonodo sentinela. Considerando-se a pequena casuística, um estudo clínico prospectivo poderia avaliar melhor esta questão.

Keywords : Reação de polimerase em cadeia; Linfonodo; Sentinela; Melanoma; Micrometástases; Imunohistoquímica.

        · abstract in English     · text in English     · pdf in English