SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.123 número3Videodefecografia computadorizada versus defecografia: as radiografias são necessárias? índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Sao Paulo Medical Journal

versão impressa ISSN 1516-3180versão On-line ISSN 1806-9460

Resumo

HAMERSCHLAK, Nelson et al. Estudo LATIN: incidência da anemia aplástica e agranulocitose na América Latina. Sao Paulo Med. J. [online]. 2005, vol.123, n.3, pp.101-104. ISSN 1516-3180.  https://doi.org/10.1590/S1516-31802005000300002.

CONTEXTO E OBJETIVO: A anemia aplástica e a agranulocitose são doenças raras, entretanto freqüentemente letais. Muitas vezes são causadas por medicações e outras exposições ambientais. A incidência dessas doenças parece variar consideravelmente entre diferentes regiões geográficas, e poucos dados sobre a incidência são disponíveis para os países da América Latina. O objetivo deste trabalho é determinar a incidência de anemia aplástica e agranulocitose no Brasil. TIPO DE ESTUDO E LOCAL: Estudo de incidência. Sete centros participaram da fase piloto do estudo representando as cinco regiões brasileiras. MÉTODOS: Cada centro realizou busca ativa por novos casos em uma região definida, por meio de contatos regulares com todos os hematologistas, principais laboratórios clínicos e clínicos de hospitais de sua região. RESULTADOS: Foram identificados 74 casos de anemia aplástica e 16 casos de agranulocitose. A mediana de idade dos pacientes com agranulocitose foi de 31 anos (intervalo inter-quartil - IIQ 12,5 - 48,2), 32,2% eram do sexo masculino e 81,2% eram da raça branca. A mediana de idade dos pacientes com anemia aplástica foi de 21 anos (IIQ 15,0-35,2), 62,2% eram do sexo masculino, 50,0% da raça branca e 39,2% da raça parda. A incidência de agranulocitose foi estimada em 0,5 casos/milhão de habitantes/ano, variando de 0,0 a 1,1 caso/milhão de habitantes/ano entre as diferentes regiões brasileiras. A incidência de anemia aplástica foi de 2,7 casos/milhão de habitantes/ano, variando de 1,1 a 7,1 casos/milhão de habitantes/ano entre as diferentes regiões. CONCLUSÕES: A anemia aplástica e a agranulocitose são doenças raras no Brasil. Entretanto existe considerável variabilidade na incidência destas doenças entre as diferentes regiões brasileiras.

Palavras-chave : Anemia aplástica; Agranulocitose; Incidência; Fatores de risco; Granulócitos.

        · resumo em Inglês     · texto em Inglês     · Inglês ( pdf )

 

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons