SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.123 número6O papel da uréia sérica e urinária na avaliação da oferta protéica enteral em recém-nascidos de muito baixo peso adequados e pequenos para a idade gestacionalPunção aspirativa por agulha fina: comparação entre dois dispositivos para obtenção da amostra citológica índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Sao Paulo Medical Journal

versão impressa ISSN 1516-3180versão On-line ISSN 1806-9460

Resumo

DULLEY, Frederico Luiz et al. Protocolo DD: daunorrubicina lipossomal e dexametasona para o tratamento do mieloma múltiplo. Sao Paulo Med. J. [online]. 2005, vol.123, n.6, pp.266-270. ISSN 1806-9460.  https://doi.org/10.1590/S1516-31802005000600003.

CONTEXTO E OBJETIVO: A daunorrubicina lipossomal tem sido usada no tratamento em várias doenças hematológicas malignas, incluindo mieloma múltiplo (MM). O objetivo deste estudo foi avaliar a eficácia, efeitos colaterais e toxicidade da daunorrubicina lipossomal and dexametasona no Protocolo DD. TIPO DE ESTUDO E LOCAL: Estudo prospectivo, realizado nos hospitais Sírio Libanês, São Camilo, Brasil e no Hospital Alemão Oswaldo Cruz. MÉTODOS: 20 pacientes com MM ativo receberam daunoxome (25-30 mg/m²/dia) por três dias consecutivos, mensal, por quatro meses (total de quatro ciclos), e dexametasona, 10 mg a cada seis horas por quatro dias consecutivos (dia 1 - 4, 9 - 12 e 17 - 20), também mensal. RESULTADOS: A mediana entre o diagnóstico e o início do protocolo DD foi de 13 meses. Quinze pacientes receberam alguma quimioterapia anterior ao protocolo DD. Uma redução maior que 50% do pico monoclonal sérico foi observada em seis paciente após o primeiro ciclo do DD (30%), em seis pacientes após o segundo ciclo (30%), em quatro pacientes após o terceiro ciclo (20%) e em quatro pacientes não houve redução (20%). No início do protocolo, 17 pacientes (85%) apresentavam anemia e em 12 destes pacientes (70%) a anemia foi corrigida. Doença progressiva foi observada em três pacientes (15%), um apresentava resposta mínima, quatro pacientes (20%) apresentaram resposta parcial e 12 (60%) apresentaram resposta completa. A toxicidade hematológica foi aceitável.Toxicidade em trato gastrointestinal foi leve, consistindo em náusea (10%) e anorexia (15%), sem episódios de vômito. CONCLUSÃO: Este tratamento apresentou uma baixa toxicidade, uma boa taxa de resposta e pode ser usado previamente ao transplante de medula óssea autogênico.

Palavras-chave : Mieloma múltiplo; Daunorrubicina; Dexametasona; Quimioterapia; Toxicidade de drogas.

        · resumo em Inglês     · texto em Inglês     · Inglês ( pdf )

 

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons