SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.125 número6Esteatose hepática não-alcóolica e síndrome metabólica em brasileiros idosos e de meia-idadeEficácia do estriol na inibição da proliferação epitelial no fibroadenoma mamário: ensaio clínico randomizado índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Sao Paulo Medical Journal

versão impressa ISSN 1516-3180

Resumo

RIBEIRO, Camila Toffoli et al. Histeroscopia como procedimento padrão para avaliação de lesões endometriais em mulheres na pós-menopausa. Sao Paulo Med. J. [online]. 2007, vol.125, n.6, pp. 338-342. ISSN 1516-3180.  http://dx.doi.org/10.1590/S1516-31802007000600007.

CONTEXTO E OBJETIVO: O câncer endometrial é o tipo mais prevalente de neoplasia maligna do trato genital. Os objetivos deste estudo foram: calcular a sensibilidade, especifi cidade e acurácia, bem como valor preditivo positivo e negativo das histeroscopias diagnósticas em comparação com a análise histopatológica de todas as lesões da cavidade endometrial. DESENHO E LOCAL: Estudo retrospectivo e descritivo no setor de endoscopia ginecológica do hospital universitário, terciário e público da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo. MÉTODOS: A histeroscopia diagnóstica foi indicada nas seguintes situações: espessura endometrial > 4 mm em pacientes assintomáticas, sangramento na pós-menopausa, endométrio irregular ou endométrio de difícil avaliação pelo ultra-som, com ou sem sangramento vaginal. A avaliação ultra-sonográfi ca foi realizada não mais que três meses antes da histeroscopia. RESULTADOS: A idade média das pacientes foi 61,1 ± 2,0 anos, e a duração média do período pós-menopausa foi de 12,7 ± 2,5 anos. Das 510 pacientes, 293 (57,5%) foram submetidas à biópsia endometrial, no estudo histopatológico, 18 pacientes apresentavam carcinoma endometrial, hiperplasia típica ou atípica e nenhuma delas apresentava espessura endometrial maior que 8 mm. Nenhuma diferença signifi cativa foi encontrada entre as espessuras medianas das várias lesões benignas (p > 0,05). A sensibilidade (94,4%), especifi cidade (97%), acurácia (96,8%) e valores preditivos positivo e negativo (68% e 99,6% respectivamente) foram altos em nosso estudo. CONCLUSÃO: Nossos resultados sugerem que a histeroscopia diagnóstica apresenta boa validade como ferramenta diagnóstica para lesões malignas e hiperplasias, bem como para lesões benignas, com exceção dos leiomiomas submucosos, para o qual a sensibilidade foi de somente 52,6%.

Palavras-chave : Histeroscopia; Ultra-som; Pós-menopausa; Biópsia; Neoplasias do endométrio.

        · resumo em Inglês     · texto em Inglês     · pdf em Inglês