SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.127 número5Prevalence of chimerism after non-myeloablative hematopoietic stem cell transplantationPrevalence of high-grade squamous intraepithelial lesions and cervical cancer among patients with unsatisfactory colposcopic examination, without visible lesion índice de autoresíndice de materiabúsqueda de artículos
Home Pagelista alfabética de revistas  

Sao Paulo Medical Journal

versión impresa ISSN 1516-3180

Resumen

PULZI JUNIOR, Sérgio Antônio et al. Acurácia de diferentes métodos para mensuração de glicemia em pacientes graves. Sao Paulo Med. J. [online]. 2009, vol.127, n.5, pp. 259-265. ISSN 1516-3180.  http://dx.doi.org/10.1590/S1516-31802009000500003.

CONTEXTO E OBJETIVO: Apesar de glicosímetros não serem validados para unidades de terapia intensiva (UTI), seu uso é corriqueiro. O objetivo foi avaliar a acurácia e concordância clínica entre a glicemia arterial por colorimetria (glicA-lab), glicemias capilar (glicC-fita) e arterial (glicA-fita) por glicosimetria, e venosa central por colorimetria (glicV-lab). TIPO DE ESTUDO E LOCAL: Estudo transversal realizado em hospital universitário. MÉTODO: Foram incluídos 40 pacientes com choque séptico e indivíduos estáveis, sem infecção. A correlação entre medidas foi avaliada tanto na amostra global quanto nos subgrupos em uso de noradrenalina e com sinais de hipoperfusão tecidual. RESULTADOS: A glicC-fita mostrou pior correlação (r = 0,8289) e concordância (-9,87 ± 31,76). Esta superou os limites aceitáveis de variação do Clinical and Laboratory Standards Institute em 23,7% dos casos, sendo maior que a glicA-lab em 90% das vezes. A glicA-fita teve a melhor correlação (r = 0,9406), com concordância de -6,75 ± 19,07 e variação significativa em 7,9%. Para a glicV-lab, obteve-se r = 0,8549, concordância de -4,20 ± 28,37 e variação significativa em 15,7%. Variação significativa foi mais frequente em pacientes com noradrenalina (36,4% versus 6,3%, P = 0,03), mas não nos com hipoperfusão. Houve discordância de conduta clínica em 25%, 22,5% e 15% dos casos para glicC-fita, glicV-lab e glicA-fita, respectivamente. CONCLUSÃO: O uso de glicC-fita deveria ser evitado, principalmente se há uso de noradrenalina. Geralmente, este método superestima a glicemia real e acarreta erros de conduta. REGISTRO DO ENSAIO CLÍNICO: ACTRN12608000513314 (registrado como estudo observacional transversal).

Palabras llave : Hiperglicemia; Hipoglicemia; Sepse; Norepinefrina; Choque séptico.

        · resumen en Inglés     · texto en Inglés     · pdf en Inglés