SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.128 número1Fentanil peridural versus venoso na analgesia pós-operatória de cirurgia ortopédica: ensaio clínico aleatórioFrequência da proteína Bcl-2 em pacientes com linfoma difuso de grandes células B de alto risco índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Sao Paulo Medical Journal

versão impressa ISSN 1516-3180

Resumo

CANTI, Ivete Cristina Teixeira et al. Fatores de risco para doença cardiovascular dez anos após pré-eclâmpsia. Sao Paulo Med. J. [online]. 2010, vol.128, n.1, pp. 10-13. ISSN 1516-3180.  http://dx.doi.org/10.1590/S1516-31802010000100003.

CONTEXTO E OBJETIVO: Pré-eclâmpsia é uma doença gestacional que ocorre principalmente em mulheres nulíparas, após a vigésima semana de gestação e frequentemente próximo do parto. Os efeitos da pré-eclâmpsia sobre a pressão sanguínea das mulheres a longo prazo ainda são controversos. Pacientes com pré-eclâmpsia recorrente ou pré-eclâmpsia na fase inicial da gestação parecem apresentar maior risco para hipertensão. O objetivo foi determinar os fatores de risco para doença cardiovascular em mulheres com pré-eclâmpsia há 10 anos. TIPO DE ESTUDO E LOCAL: Estudo transversal, realizado no Hospital de Clínicas de Porto Alegre (HCPA). MÉTODO: Quarenta mulheres com pré-eclâmpsia e 14 mulheres grávidas com pressão arterial normal acompanhadas há 10 anos ou mais no HCPA foram submetidas a exames clínicos e laboratoriais. Para se encontrar a correlação entre índice de massa corporal (IMC) e as pressões sistólica e diastólica, foi calculado o coeficiente de correlação de Spearman. O risco de desenvolvimento de hipertensão foi calculado através do teste de qui-quadrado. P < 0,05 foi considerado significante. RESULTADOS: Pacientes com pré-eclâmpsia há 10 anos ou mais tiveram pressão arterial diastólica (PAD) (P = 0,047), IMC (P = 0,019) e circunferência abdominal (P = 0,026) mais elevadas e apresentaram correlações positivas entre IMC e PAD (0,341, P = 0,031) e sistólica (0,407, P = 0,009). CONCLUSÃO: As pacientes com pré-eclâmpsia há 10 anos ou mais apresentaram pressão arterial diastólica, IMC e circunferência abdominal mais elevadas que o grupo controle. Isso enfatiza a importância de acompanhamento por longo tempo para avaliar fatores de risco cardiovascular em pacientes com pré-eclâmpsia prévia.

Palavras-chave : Pré-eclâmpsia; Eclampsia; Doenças cardiovasculares; Hipertensão; Proteinúria.

        · resumo em Inglês     · texto em Inglês     · pdf em Inglês