SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.128 número4Desenho e nível de evidência dos estudos publicados em dois periódicos brasileiros recentemente indexados na Web of Science -ISIDensidade mamária em mulheres com falência ovariana prematura ou na pós-menopausa e em uso de terapia hormonal: estudo transversal analítico índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Sao Paulo Medical Journal

versão impressa ISSN 1516-3180

Resumo

ALVES, Crésio et al. Definição e utilização da variável "raça" por estudantes de medicina em Salvador, Bahia, Brazil. Sao Paulo Med. J. [online]. 2010, vol.128, n.4, pp.206-210. ISSN 1516-3180.  http://dx.doi.org/10.1590/S1516-31802010000400006.

CONTEXTO E OBJETIVO: A falta de uma definição clara da raça humana e a importância desse tema na prática médica continua a ser fonte de dúvidas para estudiosos. No presente artigo nós avaliamos o uso da variável raça por estudantes de medicina em Salvador, Brasil. TIPO DE ESTUDO E LOCAL: corte transversal, realizado numa universidade pública federal. MÉTODO: 221 estudantes, , foram incluídos. Um questionário semi-estruturado foi utilizado para a coleta dos dados. Os resultados são expressos como média e desvio-padrão da média, proporções e frequências. O teste do χ2 (qui-quadrado) foi utilizado para o cálculo estatístico. RESULTADOS: Aproximadamente metade dos estudantes (45,4%) usava a variável grupo racial na sua prática clínica em estudos. Desses, 86,8% a consideravam uma informação relevante no prontuário médico; 92,7% no raciocínio diagnóstico; 95,9% acreditavam que ela influenciava a causa, expressão e prevalência das doenças; 94,9% afirmaram que ela contribuía para estimar o risco de doenças; 80,5% informaram que a resposta terapêutica a medicamentos pode ser influenciada pelas características raciais; 41,9% consideravam que sua inclusão nas pesquisas era sempre recomendável; e 20,3% a avaliavam como indispensável. As principais características fenotípicas usadas para a classificação racial foram: cor da pele (93,2%), tipo de cabelo (45,7%), formato do nariz (33,9%) e espessura dos lábios (30,3%). CONCLUSÃO: Apesar de sua importância na prática médica, a maioria dos profissionais não usa e não sabe classificar os diversos grupos raciais. É necessário adicionar e/ou ampliar a discussão sobre as categorias raciais e étnicas no exercício da medicina e nas pesquisas médicas.

Palavras-chave : Grupos de populações continentais; Grupos étnicos; Pesquisa biomédica; Estudantes de medicina; Ética.

        · resumo em Inglês     · texto em Inglês     · Inglês ( pdf epdf )

 

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons