SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.128 número4Desenho e nível de evidência dos estudos publicados em dois periódicos brasileiros recentemente indexados na Web of Science -ISIDensidade mamária em mulheres com falência ovariana prematura ou na pós-menopausa e em uso de terapia hormonal: estudo transversal analítico índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Sao Paulo Medical Journal

versão impressa ISSN 1516-3180

Resumo

ALVES, Crésio et al. Definição e utilização da variável "raça" por estudantes de medicina em Salvador, Bahia, Brazil. Sao Paulo Med. J. [online]. 2010, vol.128, n.4, pp. 206-210. ISSN 1516-3180.  http://dx.doi.org/10.1590/S1516-31802010000400006.

CONTEXTO E OBJETIVO: A falta de uma definição clara da raça humana e a importância desse tema na prática médica continua a ser fonte de dúvidas para estudiosos. No presente artigo nós avaliamos o uso da variável raça por estudantes de medicina em Salvador, Brasil. TIPO DE ESTUDO E LOCAL: corte transversal, realizado numa universidade pública federal. MÉTODO: 221 estudantes, , foram incluídos. Um questionário semi-estruturado foi utilizado para a coleta dos dados. Os resultados são expressos como média e desvio-padrão da média, proporções e frequências. O teste do χ2 (qui-quadrado) foi utilizado para o cálculo estatístico. RESULTADOS: Aproximadamente metade dos estudantes (45,4%) usava a variável grupo racial na sua prática clínica em estudos. Desses, 86,8% a consideravam uma informação relevante no prontuário médico; 92,7% no raciocínio diagnóstico; 95,9% acreditavam que ela influenciava a causa, expressão e prevalência das doenças; 94,9% afirmaram que ela contribuía para estimar o risco de doenças; 80,5% informaram que a resposta terapêutica a medicamentos pode ser influenciada pelas características raciais; 41,9% consideravam que sua inclusão nas pesquisas era sempre recomendável; e 20,3% a avaliavam como indispensável. As principais características fenotípicas usadas para a classificação racial foram: cor da pele (93,2%), tipo de cabelo (45,7%), formato do nariz (33,9%) e espessura dos lábios (30,3%). CONCLUSÃO: Apesar de sua importância na prática médica, a maioria dos profissionais não usa e não sabe classificar os diversos grupos raciais. É necessário adicionar e/ou ampliar a discussão sobre as categorias raciais e étnicas no exercício da medicina e nas pesquisas médicas.

Palavras-chave : Grupos de populações continentais; Grupos étnicos; Pesquisa biomédica; Estudantes de medicina; Ética.

        · resumo em Inglês     · texto em Inglês     · pdf em Inglês