SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.34 issue5Alternative models for detection of quantitative trait loci (QTL) for growth and carcass traits in pigs chromosomes 4, 5 and 7Alternative definition of stayability for Nelore beef cattle author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Revista Brasileira de Zootecnia

On-line version ISSN 1806-9290

Abstract

MCMANUS, Concepta et al. Caracterização morfológica de eqüinos da raça Campeiro. R. Bras. Zootec. [online]. 2005, vol.34, n.5, pp.1553-1562. ISSN 1806-9290.  http://dx.doi.org/10.1590/S1516-35982005000500015.

Foram utilizados dados de 498 cavalos registrados na Associação Brasileira dos Criadores de Cavalo Campeiro, entre 1985 e 1999. Foram incluídas informações individuais de 16 medidas lineares: alturas da cernelha (AC), do dorso (AD), da garupa (AG), dos costados (ACost) e do vazio subesternal (Vaz); comprimentos da cabeça (CC), do pescoço (CP), do dorso-lombar (CD), da garupa (CG), da espádua (CE) e do corpo (CCorp); larguras da cabeça (LC), do peito (LP) e da anca (LA); perímetros torácico (PT) e de canela (PC). Com os dados de registro, foram calculados o peso (P) e os índices: peitoral (IP), dáctilo-torácico (IDT), corporal (IC), torácico (IT), conformação (ICF), carga para trabalho a trote e a galope (ICG1), carga para trabalho a passo (ICG2), compacidade (ICO1 e ICO2) e relação corporal entre AC e AG (RCG). A análise de variância foi realizada considerando-se os efeitos fixos de mês (MRO) e ano de registro (AR), do sexo, da idade e da cor da pelagem. Os índices obtidos mostraram aptidão intermediária entre trabalho de sela e tração leve. O peso médio foi de 419,96 kg e o IC de 0,849, indicando ser animal mediolíneo, ideal para equitação. A partir do ICG1 e ICG2, estima-se que possa suportar, em média, peso de 117 kg, em trote ou a galope, e 199 kg, em caminhada rápida. Os coeficientes de variação apresentaram grande amplitude, predominando valores baixos. Sexo e cor da pelagem não foram causas importantes de variação nas medidas e nos índices. O MR influenciou CC, CP, CD, CE, LP, LA, PT, PC e a maior parte dos índices. O AR não influenciou AC, AD e ACost, CC, LP e PT, fazendo-o nas demais medidas lineares, mas, entre os índices, teve efeito importante apenas no IT. A idade dos animais influenciou ACost, CD, LC, LP, LA, PT e a maioria dos índices. A cor da pelagem em maior proporção na população foi castanha, seguida por baia e tordilha.

Keywords : andamento; índices; medidas lineares; pelagem; recurso genético animal; Santa Catarina.

        · abstract in English     · text in Portuguese     · Portuguese ( pdf epdf )

 

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License