SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.38 número1Estimação de componentes de co-variância para pesos corporais do nascimento aos 365 dias de idade de bovinos Guzerá empregando-se modelos de regressão aleatóriaValidação do Lipe® como método para determinar a digestibilidade dos nutrientes em eqüinos índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista Brasileira de Zootecnia

versão On-line ISSN 1806-9290

Resumo

ARRUDA, Alex Martins Varela de; RIBEIRO, Leonir Bueno  e  PEREIRA, Elzânia Sales. Avaliação de alimentos alternativos para cavalos adultos da raça Crioulo. R. Bras. Zootec. [online]. 2009, vol.38, n.1, pp.61-68. ISSN 1806-9290.  http://dx.doi.org/10.1590/S1516-35982009000100008.

Objetivou-se nesta pesquisa avaliar alimentos alternativos para cavalos adultos caracterizados como subprodutos agroindustriais por meio da digestibilidade dos nutrientes. Utilizaram-se cinco animais da raça crioulo em gaiolas de metabolismo individuais alimentados com cinco dietas: uma dieta-referência contendo ração peletizada e feno de capim-tifton 85 e outras quatro, com substituição de 30%, com base no peso (kg/kg), da dieta-referência por resíduo de soja, casca de soja, casca de trigo e casca de milho. Os melhores coeficientes de digestibilidade de matéria seca, proteína bruta, extrato etéreo, fibra em detergente neutro e fibra em detergente ácido foram de 68,05% para a dieta com casca de milho, 61,38% para a dieta-referência, 64,50% para a dieta com resíduo de soja, 84,32% para a dieta com casca de milho e 60,62% para a dieta com casca de soja, respectivamente. O maior valor de matéria seca digestível foi obtido com a dieta-referência (62,10%), enquanto com as demais dietas, o valor médio foi de 50,22% de matéria seca digestível. Para os alimentos alternativos, os maiores valores de proteína bruta, extrato etéreo, fibra em detergente neutro e fibra em detergente ácido digestíveis, foram obtidos com casca de trigo (7,53%), resíduo de soja (5,11%) e casca de soja (53,04 e 40,77%), respectivamente, destacando-se a disponibilidade de proteína da casca de trigo e a degradabilidade da fibra da casca de soja. Esses alimentos podem ser utilizados na alimentação de eqüinos, pois não comprometem a saúde do trato digestório. O nível de inclusão e a combinação desses subprodutos no balanceamento das dietas dependem da disponibilidade e do custo na região.

Palavras-chave : eqüinos; nutrição; subprodutos agroindustriais.

        · resumo em Inglês     · texto em Português     · Português ( pdf epdf )

 

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons